Elas escolheram viver: “Os medos param-nos e eu não vim à vida para ficar parada”

Saber que se tem uma predisposição genética para vir a ter cancro traz a escolha difícil de fazer uma cirurgia preventiva ou optar pela monitorização regular. Elas não quiseram alongar-se na incerteza e escolheram viver sem a ameaça do cancro hereditário. Este sábado, celebra-se o Dia Nacional da Prevenção contra o Cancro da Mama.

bemestar,impar,saude,genetica,doencas,cancro,
Fotogaleria
Tamara Hussong Milagre é presidente da Evita, uma associação dos portadores de mutações genéticas Rui Gaudêncio
bemestar,impar,saude,genetica,doencas,cancro,
Fotogaleria
Rute Lourenço fez uma ooforectomia preventiva Diego Nery
bemestar,impar,saude,genetica,doencas,cancro,
Fotogaleria
Fátima Abreu venceu o cancro da mama Rui Gaudêncio

Os cancros da mama e do ovário são traiçoeiros, progridem silenciosamente por entre exames de monitorização — que tendem a ser espaçados. As portadoras das mutações dos genes BRCA 1 e 2, que aumentam o risco da doença, vivem na angústia de não saber quando aparecerá, especialmente se a prevenção lhes for protelada por burocracias de um sistema de saúde sobrecarregado. Tamara, Rute e Fátima cortaram o mal pela raiz: optaram por cirurgias preventivas, provando que a mutação não tem de ser paralisante. Dina aguarda pela oportunidade de fazer a escolha que não foi dada aos familiares que viu adoecer.

Sugerir correcção
Comentar