Estações do Metro de Lisboa encerradas pela segunda vez na semana devido a greve

É a segunda greve parcial dos trabalhadores do Metro de Lisboa esta semana, por causa dos salários. Circulação deverá ser reposta pelas 10h15.

Foto
Há novas greves a 2 e 4 de Novembro Miguel Manso

As estações do Metropolitano de Lisboa estão encerradas esta sexta-feira, no segundo dia de greve parcial dos trabalhadores, que às 6h30 tinha uma adesão elevada, segundo Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

“À semelhança de terça-feira, primeiro dia de greve parcial dos trabalhadores, a adesão é elevada. As estações estão todas encerradas”, disse à Lusa a sindicalista.

Anabela Carvalheira adiantou também que ainda “não houve qualquer feedback por parte da empresa relativamente às exigências dos trabalhadores”.

Congelamento salarial 

Como as negociações salariais com a empresa têm falhado, o​s trabalhadores do Metro de Lisboa cumprem agora uma nova greve parcial, entre as 5h e as 9h30, prevendo-se que o serviço seja retomado às 10h15.

Em causa está o congelamento salarial, o preenchimento imediato do quadro operacional e as progressões na carreira.

Tal como na terça-feira, a greve ocorre entre as 5h e as 9h30 para a generalidade dos trabalhadores e das 9h30 às 12h30 para o sector administrativo e técnico.

Os trabalhadores do Metro de Lisboa vão cumprir mais um dia de greve parcial a 2 de Novembro e uma greve de 24 horas a 4 de Novembro.

O pré-aviso de greve foi entregue a 6 de Outubro “devido à falta de respostas às questões colocadas, quer em reuniões com o ministro do Ambiente, quer com o presidente do Metropolitano de Lisboa”, segundo a FECTRANS.

"A greve não é só contra o congelamento salarial, vamos mais longe. Defendemos uma total reposição de efectivos, que está por cumprir”, disse na segunda-feira, em declarações à agência Lusa, Anabela Carvalheira.

A sindicalista sublinhou a importância do “preenchimento imediato do quadro operacional e as progressões na carreira”.

Segundo a empresa, a adesão global à greve parcial de terça-feira no Metropolitano de Lisboa foi de 42,62%.

"O Metropolitano de Lisboa encontra-se receptivo à discussão das propostas apresentadas pelas entidades sindicais, sendo as mesmas objecto de negociação”, acrescentou a empresa na mesma nota, divulgada na altura.

Os trabalhadores do Metro já tinham feito greves parciais ao serviço em Maio e Junho com as mesmas reivindicações.

O Metropolitano de Lisboa opera com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião). O serviço funciona das 6h30 às 1h todos os dias.