União Africana suspende Sudão por causa do golpe militar

Primeiro-ministro deposto foi libertado pelos militares. O líder da insurreição militar disse que derrube do governo interino foi justificado para evitar uma “guerra civil”.

Foto
Sudaneses não abandonam as ruas em protesto contra golpe militar MOHAMMED ABU OBAID / EPA

A União Africana (UA) suspendeu esta quarta-feira o Sudão de todas as actividades da organização regional na sequência da deposição do governo interino e pediu a libertação imediata de todos os ministros e políticos presos.

O organismo explicou que a suspensão irá manter-se em vigor até que se verifique “a restauração efectiva” do governo interino civil que estava no poder há mais de dois anos. Apesar de ser uma decisão esperada, trata-se de mais um indicador de que o golpe do início da semana voltou a atirar o Sudão para o isolamento internacional.

Na terça-feira à noite, o primeiro-ministro sudanês, Abdalla Hamdok, deposto no início da semana pelo Exército, foi libertado. Hamdok era o líder civil do Conselho Soberano, o órgão que funcionava como governo interino do Sudão desde o derrube do ditador Omar al-Bashir em Abril de 2019, mas foi preso pelos militares na segunda-feira. Depois de se ter recusado a apoiar a iniciativa do Exército, o político e a mulher foram levados para um local desconhecido onde permaneceu mais de 24 horas.

O gabinete de Hamdok confirmou a libertação e especificou que o dirigente regressou à sua residência em Cartum onde se encontra sob “forte segurança”, mas revelou que outros membros do Conselho Soberano ainda se encontram detidos.

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, conversou com Hamdok logo após a sua libertação e reiterou os apelos para que os restantes políticos civis sigam o mesmo exemplo.

Na segunda-feira, os militares liderados pelo general Abdel Fattah al-Burhan derrubaram o Conselho Soberano, afastando todos os dirigentes civis que o integravam. Burhan disse que a intervenção militar serviu para evitar uma “guerra civil” e rejeitou denominá-la como um golpe.

“A experiência dos últimos dois anos mostrou que a participação de forças políticas no período de transição é defeituosa e promove o conflito”, afirmou Burhan durante uma conferência de imprensa. O general prometeu a marcação de eleições para Julho de 2023.

A coexistência entre a facção civil e a militar mostrava sinais de desgaste há já vários meses, com o governo interino a denunciar uma tentativa de golpe pelo Exército aliado a sectores que permanecem fiéis a Bashir.

A tomada do poder pelos militares recebeu forte condenação a nível internacional. O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu o fim daquilo a que chamou de “epidemia de golpes de Estado”. “O povo sudanês mostrou muito claramente o seu desejo intenso de reformas e democracia”, acrescentou Guterres.

A interrupção do processo de transição política no Sudão pode fazer regressar o isolamento internacional a que a ditadura de Bashir, entre 1989 e 2019, havia votado o país africano. Os EUA anunciaram o congelamento de uma linha de ajuda financeira no valor de 700 milhões de dólares (603 milhões de euros) e a União Europeia disse estar a ponderar o mesmo.

No terreno, continuam as manifestações contra o golpe militar que têm ganho cada vez mais força. Esta quarta-feira, associações de trabalhadores da petrolífera estatal Sudapet e sindicatos de médicos anunciaram o apoio ao movimento de protesto e marcaram uma greve para forçar os militares a restituir o poder aos civis.

Para sábado está marcada uma grande marcha em Cartum que pretende atrair milhões de pessoas contra a intervenção militar, de acordo com as associações de moradores que a estão a organizar.

Desde segunda-feira que pelo menos dez pessoas morreram durante os confrontos com as forças de segurança que tentam reprimir os protestos. Várias ruas na capital e na cidade-gémea de Omdurman estão bloqueadas pelos manifestantes que têm erguido barricadas.