Lucro do BCP cai 59,3% penalizado por provisão para negócio na Polónia

Banco diz que “não há motivo de preocupação especial” sobre risco de incumprimento de créditos em moratória, mas não divulga números de restruturações.

Foto
LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

O resultado líquido consolidado do BCP caiu 59,3%, para 59,5 milhões de euros, até Setembro, anunciou esta quarta-feira a instituição. O resultado seria de crescimento de 20%, para 215,3 milhões de euros, sem a constituição de uma provisão de 313,5 milhões de euros para riscos legais associados a créditos em francos suíços, concedidos na Polónia, e de custos 87,6 milhões de euros relativos “essencialmente a ajustamento do quadro de pessoal”.

O banco levou a cabo nos últimos meses a uma redução de perto de 800 trabalhadores, por rescisões por mútuo acordo e reformas. A instituição tem ainda em curso um despedimento colectivo que abrange 23 trabalhadores que não aceitaram as propostas do banco, segundo informou o presidente executivo, Miguel Maya.

De acordo com os dados revelados, a carteira de crédito que beneficiava de moratórias, que terminaram em Setembro, ascendia a 6211 milhões de euros, dos quais 3115 milhões de euros de empréstimos de empresas e 3096 milhões de euros a famílias. E continua em moratória de crédito, porque aderiram mais tarde, um montante de 730 milhões de euros, dos quais 624 milhões de euros de empréstimos a empresas e 106 milhões de euros de a famílias.

Em conferência de imprensa, o presidente da instituição financeira garantiu que 90% do montante de créditos em moratórias em Setembro "está em situação regular”, adiantando que “não há motivo de preocupação especial” em relação à qualidade dessa carteira.

O responsável não adiantou, no entanto, os números relativamente a processos de reestruturação de créditos de famílias e de empresas, desencadeados após o fim das moratórias. Nem mesmo em relação ao número de empresas que pretendem beneficiar da garantia pública nos processos de reestruturação de crédito, com o presidente do BCP a garantir que a instituição disponibiliza “um conjunto de soluções que vão além da que é proposta pelo Governo”, no âmbito da linha de crédito Retomar.

Contudo, mais do que o risco da carteira de crédito em moratória, medida que permitiu a suspensão de pagamento de juros e capital, para minorar o impacto da pandemia de covid-19, o presidente do BCP admitiu que há empresas preocupadas com “as consequências dos aumentos dos combustíveis, da energia e ainda de custos na cadeia de abastecimento”. 

O banco, que mantém o propósito de não distribuir dividendos relativos a 2020, decisão justificada com “vários factores de incerteza que persistem”, teria, sem as provisões para a Polónia e custos com a redução de trabalhadores, atingido um resultado operacional consolidado de 938,7 milhões de euros, correspondendo a um crescimento de 8,3%.

De acordo com os dados divulgados, o resultado líquido da actividade em Portugal totalizou 115,2 milhões de euros até Setembro, “evidenciando um crescimento de 25,3% face aos 91,9 milhões de euros obtidos em igual período de 2020”. Na actividade internacional, registou-se um prejuízo de 55,7 milhões de euros, devido sobretudo ao contributo da subsidiária polaca, e “determinado pelo reforço das imparidades e provisões, para fazer face ao risco legal associado aos créditos hipotecários concedidos em moeda estrangeira, que ascendeu a 313,5 milhões de euros.

Em relação a outros indicadores de actividade, a margem financeira ascendeu a 1168,6 milhões de euros, face aos 1153,7 milhões de euros apurados no período homólogo do ano anterior. E as comissões líquidas subiram 7,2%, para 534,2 milhões de euros.

Na operação em Portugal, em termos líquidos, o número de colaboradores passou de 7152 colaboradores no terceiro trimestre de 2020 para 6511 colaboradores em Setembro de 2021.