“As empresas internacionais vêm cá ser subsidiadas com recursos nacionais”

Vítor Bento, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, critica a proibição, em Portugal, de cobrar taxas negativas nos depósitos de grandes empresas. “Que eu saiba, é o único país a fazê-lo”

Foto

O economista Vítor Bento, de 67 anos, também licenciado em Filosofia, acaba de assumir a presidência da Associação Portuguesa de Bancos, onde o sector defende interesses próprios, e, na sua primeira entrevista, antevê que o jogo da banca com as “fintechs” acabe “numa espécie de joint-venture, pede regras iguais para todos os players do sector e defende que, sem bancos de base nacional, o país “perde empregos qualificados, perde a localização da criação de valor acrescentado e perde base fiscal”. Diz que foi criada uma “narrativa de que não foi o Estado que meteu dinheiro no BES e no Novo Banco, mas que foi”. Alega que Portugal “não tem um desígnio estratégico devidamente definido” que defenda os seus interesses, pelo que “está sempre em desvantagem”.

Sugerir correcção
Ler 19 comentários