Diário da Lisboa Boémia, ou quando a cidade vivia “mais de noite do que de dia”

Chamaram-lhes “loucos anos” e há quem diga que estão prestes a repetir-se. A década frenética deu a Lisboa clubes sumptuosos, ousadas maneiras de vestir, um Parque Mayer. Os anos 1920 são retratados em novo livro.

Foto
Uma festa no Maxim's, um dos clubes mais famosos da capital durante a década Notícias Ilustrado, cedido pelo Museu Nacional do Teatro e da Dança

A noite de 6 de Janeiro de 1927 foi agitada no Teatro da Trindade. A estreia da peça A Garçonne, baseada no romance homónimo de Victor Margueritte, foi recebida com “pateada, aplausos e zaragata” depois de muita tinta correr nos jornais. Dias antes, o Diário de Lisboa dava conta de “uma justificada ansiedade do público” e o Novidades posicionava-se contra a representação: “A sua obscenidade vai até à crápula. A sua imoralidade exalta o vício que julga compatível com a virtude e apresenta, sob cores lisonjeiras, a mais depravada animalidade.”

Sugerir correcção
Comentar