Jorge Moreira da Silva não vai ser candidato à liderança do PSD

Ex-ministro do Ambiente remete para mais tarde o seu apoio aos candidatos.

Foto
Jorge Moreira da Silva vai manter-se como director-geral da cooperação para o desenvolvimento na OCDE, em Paris ANTÓNIO COTRIM

O ex-ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, assume que não será candidato à liderança do PSD nas próximas directas de 4 de Dezembro. A posição foi divulgada na rede social Facebook e surge horas depois de Rui Rio anunciar que vai recandidatar-se à presidência do partido.

“Aguardei serenamente pela definição de Rui Rio quanto à sua recandidatura à liderança do PSD. Confirmada que está tal recandidatura, entendo não dever eu próprio protagonizar uma candidatura própria, pois o superior interesse do país e do PSD aponta para que os militantes possam fazer a sua opção livre entre as duas vias distintas que são apresentadas e que se encontravam em preparação no terreno há longos meses”, escreveu, referindo-se directamente a Rui Rio e a Paulo Rangel.

O ex-vice-presidente de Pedro Passos Coelho remete para mais tarde a divulgação do candidato que apoia. 

“Acompanharei atentamente a campanha interna que vai agora iniciar-se e não deixarei, em devido tempo, de emitir a minha opinião sobre aquele que considero o melhor projecto”, acrescentou. 

Depois de Paulo Rangel e de Rui Rio terem anunciado que são candidatos à liderança do PSD, Jorge Moreira da Silva ficou com pouca margem para também entrar na corrida. O ex-ministro refere que continuará desempenhar as funções de director-geral da Cooperação para o Desenvolvimento da OCDE, em Paris, além de presidir ao think-tank Plataforma para o Crescimento Sustentável.

“E continuarei empenhado na reconquista do Direito ao Futuro, nomeadamente, em torno do debate sobre as políticas e reformas apresentadas no meu recente livro”, rematou.