União Europeia e China concordam em realizar nova cimeira

Os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e da China conversaram esta sexta-feira por telefone e Xi Jinping afirmou que os dois blocos têm de fortalecer a comunicação estratégica.

Foto
Charles Michel na cimeira por vídeoconferência com a China em Dezembro JOHANNA GERON/POOL/EPA

A União Europeia e a China vão realizar uma cimeira em breve, de acordo com uma mensagem no Twitter do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que esta sexta-feira falou ao telefone com o Presidente chinês, Xi Jinping. O líder chinês, segundo a agência Xinhua, referiu a necessidade de as duas partes reforçarem a comunicação estratégica e desenvolver uma relação estável e saudável.

As duas potências comerciais não realizam qualquer cimeira presencial desde antes da pandemia, tendo o último encontro ao mais alto nível entre a UE e a China, a 30 de Dezembro, decorrido por videoconferência.

Desde então, ambos têm vindo a atacar-se com sanções por causa de acusações de violação de direitos humanos, congelando os progressos num acordo de investimento bilateral, que foi assinado, mas não ratificado pelo Parlamento Europeu.

“Nas relações UE-China, apesar das diferenças, o diálogo mantém-se crucial”, escreveu no Twitter Charles Michel, que preside às cimeiras europeias com a China. “Concordámos em realizar uma cimeira UE-China e reforçar o nosso diálogo, acrescentou, sem adiantar, no entanto, uma data.

Segundo um funcionário da UE, “durante o telefonema, os presidentes confirmaram a intenção de realizar a próxima cimeira UE-China. Também estão a explorar a possibilidade de um encontro com todos os membros do Conselho Europeu numa etapa mais adiantada”, em referência a uma cimeira separada com todos os líderes dos 27 Estados-membros.

Xi Jinping referiu-se especialmente a duas áreas, a digital e a do ambiente, como campos onde os dois lados devem aplicar a sua cooperação e referiu-se às sinergias que podem ser alcançadas entre a iniciativa chinesa Belt and Road e a Estratégia de Conectividade da UE. Assuntos como as alterações climáticas e a conservação da biodiversidade devem merecer especial atenção.

Junto com os Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, a UE impôs sanções a funcionários chineses a 22 de Março por causa de violações dos direitos humanos contra a minoria uigur em Xinjiang, acusações que Pequim nega.

Em retaliação, o Governo chinês aplicou sanções contra deputados, diplomatas, institutos e famílias e impediu as suas empresas de comercializarem com a China, tendo ainda congelado um projecto de investimento recentemente acordado.