Preço do petróleo não dá tréguas e continua a subir

Gasolina já ultrapassou os dois euros por litro num grande número de postos de abastecimento nacionais.

Foto
Só no acumulado desta semana, o aumento do Brent deverá ascender a cerca de 3% Reuters/Daniel Becerril

Mantém-se a tendência de subida dos preços do petróleo que se verifica há mais de um mês. Esta sexta-feira, o preço do barril de Brent do mar do Norte, referência para a Europa, está a subir 1%, para 84,94 dólares. Do outro lado do Atlântico, o WTI também segue em alta de 0,93%, para 82,07 dólares por barril.

A escalada do preço daquela matéria-prima está a reflectir-se no bolso dos particulares de várias formas, sendo a mais visível a subida dos combustíveis nos postos de abastecimento. Esta quinta-feira, alguns tipos de gasolina, como a ultimate da BP, ultrapassaram os dois euros por litro em muitos pontos de venda.

Mas o impacto indirecto da subida dos combustíveis é bem mais amplo, nomeadamente nos preços de electricidade e dos transportes e, também em consequência destes, em muitos outros produtos.

A resistência dos maiores produtores mundiais de petróleo em aumentar a produção explica, em grande parte, a escalada de preços, que estão em máximos de três anos, numa altura em que aumenta a procura na sequência da recuperação da economia mundial, mas também porque a subida de outras matérias-primas, como o gás e o carvão, desviam a procura para o petróleo.

Só no acumulado desta semana, o aumento do Brent deverá ascender a cerca de 3%.

O aumento dos preços dos combustíveis, juntamente com outros factores, está a gerar uma subida da inflação nos Estados Unidos e na Europa.

A subida dos preços está, por outro lado, a ajudar as gasolineiras, cujas acções estão a registar forte valorização nas bolsas europeias. É o caso da Galp que já esteve a subir mais de 1%.