Rio apela ao adiamento da marcação das directas por causa da ameaça de legislativas antecipadas

Líder do PSD diz que eventual chumbo do OE e eleições antecipadas “apanham PSD” em disputa eleitoral interna.

Foto
Rui Rio quer esperar pelo desfecho da votação do Orçamento do Estado para marcar eleições internas ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Rui Rio apelou aos conselheiros nacionais para que não marquem já amanhã as datas das eleições internas e do congresso por causa da ameaça de crise política em torno do chumbo do Orçamento do Estado para 2022 (OE 2022). O líder do PSD não está convencido de que haja uma crise política mas também assumiu não ter a certeza de que este Orçamento passe, depois de os partidos à esquerda do PS ainda não terem dado o seu apoio ao documento que chegou na segunda-feira ao Parlamento.

A posição foi assumida aos jornalistas, ao final da tarde desta quarta-feira, no Parlamento, duas horas depois de a direcção ter enviado as propostas de datas para a escolha do novo líder do partido: 4 de Dezembro (e congresso em meados de Janeiro) ou a 8 de Janeiro (com congresso no início de Fevereiro). 

“Se o Orçamento não passar, o PSD é apanhado em plenas directas com um congresso a realizar em Janeiro ou Fevereiro e completamente impossível de disputar umas legislativas taco a taco. Há aqui um facto político muito relevante, é do interesse do PSD e de Portugal. Se tivermos eleições legislativas, os portugueses querem um PSD em condições”, afirmou o líder do PSD.

Rui Rio considerou que seria de “bom senso” a marcação das datas num novo conselho nacional a realizar após a votação final global do OE, agendada para o final de Novembro. “Se o OE for aprovado, há condições para directas, se não for não vejo como o partido pode fazer internas e legislativas ao mesmo tempo”, disse. É um recuo face ao proposto poucas horas antes. No e-mail enviado aos conselheiros nacionais, a direcção entendia que a hipótese do calendário mais prolongado (as datas de 8 de Janeiro para as directas e congresso entre 4 a 6 de Fevereiro) não servia “os interesses do partido". Caso este apelo de Rui Rio seja aceite, o calendário será novamente prolongado no tempo.

Questionado sobre se se sente em condições de disputar legislativas antecipadas, Rio foi taxativo na resposta. “Claro, isso é evidente, sou o líder do partido, fui candidato a primeiro-ministro em 2019. Depois de sair das autárquicas, será ainda mais fácil”, afirmou.

Sobre se será possível o PSD viabilizar o OE caso as negociações falhem à esquerda, o líder social-democrata repetiu o argumento que tem dado desde o Verão de 2020: “O primeiro-ministro disse claramente que o Governo cai no dia m que precisar dos votos do PSD para aprovar o Orçamento”. Sem anunciar um sentido de voto, Rui Rio considerou que um documento “todo construído para agradar à esquerda” é “difícil agradar ao centro”. 

Rui Rio passou a pressão para a esquerda. “Eu entendo, tal como o Presidente da República tem dito, a última coisa que é aconselhável é uma crise política. Se fosse Presidente ou primeiro-ministro, tudo faria para evitar uma crise política, mas se fosse líder do BE e do PCP não me considerava fora da crise política”, afirmou, acrescentando que não está convencido de que haja uma crise política mas também assumiu não ter a certeza de que este Orçamento passe.