Autarcas eleitos em Barcelos vão tomar posse em casa mortuária

Eleitos criticam decisão e uma habitante considerou que a decisão “volta a colocar Barcelos no anedotário nacional”.

Foto
Paulo Pimenta

O presidente eleito da União de Freguesias de Silveiros e Rio Covo, em Barcelos, criticou nesta terça-feira a marcação da tomada de posse dos novos órgãos autárquicos para uma casa mortuária, considerando trata-se de uma “enorme falta de respeito”.

“É uma enorme falta de respeito por quem vai tomar posse e, principalmente, pelos cidadãos que vão assistir. A uma casa mortuária vai-se, geralmente, por outros motivos”, referiu Sérgio Azevedo, eleito pelo PS.

Em declarações à Lusa, o autarca acrescentou que manifestou o seu desagrado pela escolha do local da tomada de posse e tentou reverter a decisão, mas sem sucesso.

“Disseram-me que ainda não houve lá qualquer velório e que, além disso, a casa também vai servir para a catequese e que, por isso, não entendem qual o mal de lá decorrer a tomada de posse”, disse ainda.

Assim, a tomada de posse continua marcada para a casa mortuária de Silveiros, na noite de quinta-feira. “Teremos mesmo de lá ir, não há outro remédio”, acrescentou.

A marcação da tomada de posse é da responsabilidade da presidente cessante da Assembleia de Freguesia, Elisabete Rosmaninho Pereira, que a Lusa tentou ouvir, mas até ao momento sem sucesso.

A junta é actualmente liderada por Conceição Faria, eleita por um movimento independente, do qual também fez parte Sérgio Azevedo.

Nas autárquicas de 26 de Setembro, Conceição Faria não se recandidatou e Sérgio Azevedo concorreu pelo PS, ganhando as eleições.

A casa mortuária de Silveiros foi a última obra da junta cessante, tendo, segundo Sérgio Azevedo, ficado pronta “na semana das eleições”.

“Não consigo entender por que razão se marcou a tomada de posse para a casa mortuária, que, segundo sei, ainda nem sequer mobiliário tem. Há na união de freguesias dois edifícios de junta, duas escolas e ainda a sede da Associação de Pais. Não havia mesmo necessidade desta escolha mórbida, que revela também uma enorme falta de bom senso”, apontou o autarca eleito.

Uma habitante ouvida pela Lusa considerou que a decisão “volta a colocar Barcelos no anedotário nacional”.

“Para ser perfeito, só faltava mesmo que lá colocassem uma urna a sério para colocação dos votos para a assembleia de freguesia”, ironizou.