Inundações na China deslocam mais de 120 mil pessoas e suspendem trabalho em dezenas de minas de carvão

As cheias foram causadas por chuvas torrenciais que atingiram níveis quase quatro vezes superiores à média do mês de Outubro. Foram destruídas 17 mil casas e 190 mil hectares de terrenos agrícolas ficaram danificados.

Foto
Os residentes limpam as ruas depois de chuvas intensas terem caído na região de Yitang, na província de Shanxi STRINGER/Reuters

Mais de 120 mil pessoas foram forçadas a deixar as suas casas depois de chuvas intensas provocarem inundações na província central chinesa de Shanxi, afectando no total cerca de 1,76 milhões de pessoas, avançaram as autoridades. Foram destruídas 17 mil casas e 190 mil hectares de terrenos agrícolas ficaram danificados.

Segundo a imprensa chinesa, aldeias ficaram inundadas, cercando os residentes e causando o colapso de algumas barragens. Uma delas rompeu em Fenhe, um afluente do rio Amarelo, que registou a sua segunda maior enchente em quase 40 anos. Imagens aéreas mostram pontes ferroviárias destruídas, deixando os trilhos suspensos no ar.

As chuvas também danificaram parte da Antiga Muralha da Cidade de Pingyao, que é Património Mundial da UNESCO e um destino turístico popular.

De acordo com as autoridades, as chuvas e tempestades estão a dificultar os esforços de resgate. Não foram divulgadas informações sobre ferimentos ou mortes, porém, o Global Times avançou na semana passada que quatro polícias morreram na sequência de um deslizamento de terra na quinta-feira.

As cheias foram causadas por chuvas torrenciais que atingiram níveis quase quatro vezes superiores à habitual média do mês de Outubro. Foram destruídas 17 mil casas, 190 mil hectares de terrenos agrícolas ficaram danificados e os trabalhos em mais de 400 minas foram obrigados a ser suspensos. Entre elas, 60 são minas de carvão.

A região de Shanxi é uma das grandes produtoras de carvão do país e a suspensão das actividades levanta preocupações, num momento em que o país já enfrenta falhas de electricidade. Em resposta, as autoridades têm vindo a exigir o aumento da produção de carvão no país.

Segundo a imprensa estatal, 59 estações meteorológicas nacionais registaram o maior nível de precipitação alguma vez registado.

Durante vários dias da última semana chuvas torrenciais caíram na província de Shanxi. Em 12 horas, entre a noite e a manhã da passada terça-feira, registou-se pela região uma média de 119,5 mm – a média habitual é de 31,3 mm no mês de Outubro. Taiyuan, a capital de Shanxi, registou níveis de precipitação de 185 mm, cerca de sete vezes superior à média do mês registada entre 1981 e 2010 (25mm).

As inundações acontecem três meses depois das cheias na província de Henan em Julho, quando níveis recorde de chuva atingiram a província chinesa, provocando mais de 300 mortes. Hao Nan, director de um centro de informação de desastres, disse ao jornal chinês Global Times que as chuvas em Shanxi foram mais intensas do que em Henan, embora o impacto não tenha sido para já tão grande.