7 dias, 7 fugas: da serra ao castelo, a petiscar por entre os artistas

Vamos Petiscando em Penafiel e soltando A Gula por torricado na Azambuja. Lisboa está cheia de cestos, Guimarães anda numa Ronda das Artes e o CineEco projecta-se em Seia. São João da Madeira expõe extravagâncias para pés e cabeças, enquanto uma oliveira inspira Encontros de Alvito.

relaxar,passeios,lazer,fugas,
Fotogaleria
O "octo-dog" do Mau Feitio Gastro é um dos petiscos a provar em Penafiel DR
fugas,artes,cinema,musica,guimaraes,lisboa,
Fotogaleria
O documentário Lago Sagrado faz parte do cartaz do CineEco DR
relaxar,passeios,lazer,fugas,
Fotogaleria
Guimarães embarca numa Ronda das Artes DR
fugas,artes,cinema,musica,guimaraes,lisboa,
Fotogaleria
Black Folded Shoe, sapato de Marloes ten Bhömer exposto em São João da Madeira DR
,Restaurante
Fotogaleria
O típico torricado ribatejano serve-se em 20 restaurantes da Azambuja Câmara Municipal da Azambuja
fugas,artes,cinema,musica,guimaraes,lisboa,
Fotogaleria
A exposição Um Cento de Cestos junta colecções de dois museus em Belém Miguel Manso
fugas,artes,cinema,musica,guimaraes,lisboa,
Fotogaleria
O Castelo de Alvito é um dos palcos de um novo festival na vila alentejana Rui Gaudêncio

Sábado, 9: ambiente serrano e o mundo na tela

No coração da Serra da Estrela, seguimos a jornada de uma adolescente sueca, desde uma greve escolar até uma ultramediática travessia do Atlântico. E ficamos a conhecer um casal que descobre que o filho anda a vender bens da família para financiar um “vício” secreto: um projecto ecológico. I Am Greta Thunberg, de Nathan Grossman, e La Croisade, de Louis Garrel, estão em destaque no 27.º CineEco - Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, onde são exibidos em antestreia nacional. A tela instala-se na Casa Municipal da Cultura de Seia a partir deste sábado, para ali ficar até 16 de Outubro, com quase uma centena de obras em cartaz, vindas de mais de 20 países. Sobressaem também Curtir a Pele, rodado por Inês Gil numa fábrica de curtumes da Beira Alta; Arica, de Lars Edman e William Johansson Kalén, em torno do “colonialismo tóxico”; Mar Infinito, de Carlos Amaral, uma aventura (quase) espacial; e o Lago Sagrado, em que Carla Varanda segue o trabalho do fotógrafo Mário Lisboa no lago Baikal, na Sibéria. Cinco ecotalks (com transmissão online), uma palestra, duas exposições e um concerto dos Anaquim formam o programa paralelo.

Domingo, 10: a rondar “o embrião da criação”

Guimarães vai “colocar a descoberto os espaços onde os artistas trabalham”, cortesia de uma Ronda das Artes em que “o público conhece o embrião da criação”. Serão quatro domingos a peregrinar por ateliês, estúdios e outros bastidores, com músicos, pintores e outros artistas como anfitriões. No total, estarão 15 espaços de portas abertas, anuncia a organização, “desde o fabricador de tintas de Moreira de Cónegos ao estúdio que não deixou os músicos parados durante a pandemia, com as Clav Sessions”. A primeira ronda, marcada para 10 de Outubro, dirige-se, precisamente, à D'arte Cor e ao CLAV - Centro e Laboratório Artístico de Vermil, mas também ao ateliê de Rafael Oliveira e à associação cultural Astronauta. Nos domingos seguintes (17, 24 e 31 de Outubro), as visitas vão do Centro Cultural Vila Flor ao ateliê de Pedro Bastos, passando pelo “esconderijo” da produtora de cinema Bando à Parte, entre muitos outros sítios. Cada ronda começa às 15h e promete comes e bebes no final. Promovida pela Comunidade Artística Vimaranense e pela Astronauta, a iniciativa tem lugar para 20 pessoas de cada vez, com bilhetes a 10€ e reserva obrigatória (através do e-mail cavassociacao@gmail.com ou do número 918488842). Mais informações aqui.

Segunda, 11: sapatos de se lhes tirar o chapéu

A 11 de Outubro celebra-se o Dia do Município em São João da Madeira e, a esse pretexto, dois museus abrem portas, excepcionalmente, numa segunda-feira, para inaugurar duas exposições enraizadas nos créditos industriais da terra, mas desenhadas pela extravagância – no âmbito do ciclo Memória e Criatividade. Às 15h, o Museu da Chapelaria acolhe uma colecção de chapéus do designer italiano Francesco Ballestrazzi, intitulada Não É Só Um Conto de Fadas e situada, segundo a nota de imprensa, numa “ténue linha entre a dimensão do sonho e da realidade”. Uma hora depois, é a vez de o Museu do Calçado se entreter com as mais de cem peças d’O Acto de Caminhar segundo Marloes ten Bhömer, criadora holandesa que imprime o seu cunho artístico através de experiências com novas tecnologias aplicadas aos sapatos. Ambos mostram aqui, pela primeira vez em Portugal, o seu trabalho. As exposições ficam patentes de terça a domingo, das 10h às 12h30 e das 14h às 17h30, com bilhetes a 2€ para um museu ou a 3€ para os dois.

Foto
Francesco Ballestrazzi, o criador dos chapéus expostos em Não É Só Um Conto de Fadas DR

Terça, 12: A Gula à mesa com torricado 

Seja com bacalhau, polvo ou coelho assado, seja em piza ou bolo do caco, o torricado comanda A Gula – nome de uma rota gastronómica que, durante todo o mês de Outubro, leva a 20 restaurantes do concelho da Azambuja esse manjar rústico tão típico da marmita dos campinos ribatejanos. Entre as várias declinações servidas – umas mais fiéis à tradição, outras mais aventureiras –, bebe-se um copo cheio de um vinho da região, sugerido por cada casa para harmonizar com a degustação. Promovida pela autarquia, A Gula não pretende apenas satisfazer o apetite dos comensais com o prato-bandeira da zona; o objectivo é apoiar “os estabelecimentos aderentes na valorização da gastronomia do concelho e na dinamização da economia local”. As ementas podem ser consultadas aqui.

Quarta, 13: (mais do que) Um Cesto de Cestos à beira-Tejo

“Cesteiro que faz um cesto faz um cento, se lhe derem verga e tempo”, reza a sabedoria proverbial. É ao saber popular que esta exposição vai buscar o título e o conteúdo. Um Cesto de Cestos resulta da união das colecções de duas instituições situadas em Belém (Lisboa): o Museu de Arte Popular (onde está patente) e o Museu Nacional de Etnologia. Resultado: não uma centena, mas quase duas centenas e meia de peças. Produzidas entre as décadas de 1940 e 70, permitem observar “o passado recente das técnicas de cestaria em Portugal”, sublinha a folha de sala, e a “diversidade de matérias-primas e de técnicas de confecção que os mesmos evidenciam”. Ao mesmo tempo, incorpora “interpelações sobre o futuro e a sensibilização para a importância da preservação dos saberes-fazer tradicionais”, tendo em conta o risco de desaparecerem juntamente com os últimos mestres artesãos. Não há só cestaria para apreciar: fotografias, desenhos, filmes e documentos de ambos os museus também se entrelaçam na exposição, com curadoria de Astrid Suzano e Fatima Durkee. Inaugurada a 10 de Setembro, pode ser visitada de quarta a domingo, das 10h às 13h e das 14h às 18h. A entrada custa 5€, sendo gratuita até aos 12 anos.

Quinta, 14: petiscando e ganhando

Desde o início do mês que se vai Petiscando em Penafiel, num roteiro gastronómico em que a prova conduz a um sorteio. Até dia 24, cada um dos 20 estabelecimentos participantes sugere um petisco para a ocasião. Tanto vale apostar na tradição – com uma boa fêvera em vinha d’alho, uns rojões ou um pão com chouriço – como temperar a proposta com a criatividade, seja num “octo-dog” (isso mesmo, um cachorro com polvo no lugar da salsicha) ou num hambúrguer artesanal com o cognome de “O Chavalo”. Cada petiscadela dá direito a colocar um selo no passaporte da rota. Reunindo dez, o portador pode habilitar-se a prémios: crédito para regressar a um dos estabelecimentos ou um fim-de-semana no Douro, para duas pessoas. O valor de cada petisco nunca ultrapassa os 5€. Já o número de passaportes para concorrer é ilimitado. Também os restaurantes serão premiados, por um júri que vai petiscando e elegendo os melhores do cardápio. 

Sexta, 15: à sombra de uma oliveira

À beira da Oliveira dos Namorados, uma declaração de amor em forma de instalação sonora. Na Praça da República, uma E-nxada de novo circo pela Erva Daninha. Na Casa do Cante, uma oficina para aprender a entoar o canto da terra. No pátio do castelo, concertos de Benjamim e Braima Galissá. Actuações de DJ em locais-surpresa. E também um peddy paper, uma caminhada, uma aula de ioga, a apresentação de um vinho, baile, cinema e muitas conversas, entre outras actividades. É com este fôlego que nascem os Encontros de Alvito, com “edição zero” marcada para 15 e 16 de Outubro. Tendo como “inspiração e guardiã” a milenar oliveira e como promotor o Clube da Natureza da vila, o festival chegou para “conectar o Baixo Alentejo ao mundo”. O programa detalhado e as instruções para reservar lugar estão disponíveis aqui.