Autoeuropa vai ter novo director-geral

O actual responsável da fábrica da Volkswagen em Palmela será substituído por um gestor estrangeiro e deverá rumar ao Brasil.

Foto
Miguel Sanches, director-geral desde 2015, está de saída daniel rocha (arquivo)

Thomas Hegel Gunther vai ser o novo director-geral da Autoeuropa, substituindo o português Miguel Sanches, que liderou a fábrica da Volkswagen em Palmela desde 2015. 

A notícia foi avançada nesta sexta-feira pelo Jornal Económico e confirmada pelo PÚBLICO. A Autoeuropa não faz, porém, comentários.

Não se conhece o calendário da substituição. Miguel Sanches foi o homem-forte da marca alemã durante os anos mais produtivos da Autoeuropa. Assumiu a direcção da fábrica dois anos antes do arranque da produção do modelo T-Roc, cuja produção em exclusivo mundial (com excepção do mercado chinês) permitiu fixar um novo recorde de produção em 2019, com mais de 250 mil unidades fabricadas nesse ano.

Sanches rumará ao Brasil, segundo aquele jornal, para desempenhar funções de vice-director de operações naquele país, onde de resto nasceu o seu sucessor. Gunther é natural de São Paulo, onde cresceu, tendo-se licenciado em Engenharia Mecânica na Universidade Técnica de Munique. Este gestor alemão foi director da Sitech, uma empresa detida pela VW e que fabrica assentos de automóveis em unidades na Polónia, na Alemanha e na China, tendo passado a director de controlo de produção e logística da marca de Wolfsburgo em 2018.

A transição na liderança da Autoeuropa é conhecida numa altura em que a fábrica continua sem um acordo de empresa aprovado. As negociações com os representantes dos cerca de 5200 trabalhadores permitiu chegar a um pré-acordo que acabou por ser rejeitado pela maioria num referendo interno.

Em 2020, a pandemia gerou, em termos homólogos, uma quebra de 25% na produção, que foi suspensa logo no primeiro confinamento, com a fábrica a recorrer ao layoff. Mesmo assim, esse foi o terceiro melhor ano de sempre em termos de produção.

Em 2021, a produção já foi interrompida diversas vezes devido à escassez mundial de semicondutores. Aliás, a fábrica encontra-se parada neste momento por essa razão, só devendo retomar a laboração depois do feriado de 5 de Outubro.