Iolanta, ópera “apenas para ouvir” no Teatro de São Carlos

Versão de concerto não deixa de saber a pouco, mesmo se musicalmente a aposta foi ganha por um elenco de qualidade.

cultura,teatro-nacional-sao-carlos,opera,critica,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
No papel de Iolanta, a soprano Zarina Abaeva destacou-se pela voz opulenta e pela beleza do timbre nos vários registos antonio pedro ferreira / São carlos
cultura,teatro-nacional-sao-carlos,opera,critica,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
A grande prestação da noite foi do tenor russo Misha Didyk (Vaudémont), detentor de uma voz ao mesmo tempo imponente e ágil, com um registo agudo cintilante, e de um forte carisma antonio pedro ferreira / São carlos
cultura,teatro-nacional-sao-carlos,opera,critica,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Também o baixo Evgeny Stavinsky (Rei René) mostrou uma voz poderosa, um belo timbre e um forte envolvimento na personagem antonio pedro ferreira / São carlos
cultura,teatro-nacional-sao-carlos,opera,critica,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
Os instrumentistas da Sinfónica Portuguesa ocuparam quase todo o palco do São Carlos, com os sopros atrás. Orquestra sob direcção atenta e expessiva de Graeme Jenkins antonio pedro ferreira / São carlos

Quinze anos depois da estreia em Portugal, a ópera Iolanta de Tchaikovski regressou ao palco do Teatro Nacional de São Carlos na abertura desta temporada, confirmando mais uma vez que a última obra lírica do compositor russo merecia um lugar bem mais assíduo no repertório pela sedutora beleza da música e pela subtileza dramática. Em ambos os casos, a obra foi apresentada em versão de concerto, ficando assim privada de uma das componentes intrínsecas da ópera como género artístico, evocada pelo próprio Tchaikovski numa carta de 1879 dirigida à sua protectora Nadeja von Meck, citada por Paulo Ferreira de Castro no programa de sala: “Ao compor uma ópera, o autor deve ter sempre em mente a cena, isto é não pode esquecer que o teatro exige não apenas melodia e harmonia, mas também acção; que não se pode abusar da atenção do ouvinte de ópera, que veio não apenas para ouvir, mas também para ver”. Tal como a protagonista, a princesa cega Iolanta, que ignora a sua condição por vontade do pai, antes de se apaixonar por Vaudémont, que lhe revelará as cores do mundo, também o público fica entregue à sua imaginação no que diz respeito à componente visual e teatral. Ainda que a acção interior das personagens seja central em Iolanta, a versão de concerto não deixa de saber a pouco, mesmo se musicalmente a aposta foi ganha por um elenco de qualidade.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários