Dr. Lonnie Smith (1942-2021), morreu um dos grandes organistas do jazz

Músico norte-americano, um dos grandes estudiosos do órgão Hammond B3, deixa uma longa obra que procurou identificar os lugares onde o jazz e a soul se intersectam.

Foto
O organista Dr. Lonnie Smith, referência dos cruzamentos entre a música soul e o jazz. Mathieu Bitton

Só não tinha paciência para responder a questões sobre o turbante. Podia conversar sobre tudo o resto. Os anos em que trabalhou com um aparentemente infindável leque de pesos pesados do jazz norte-americano — quem aponta para os guitarristas George Benson e Melvin Sparks tem de apontar para o trompetista Lee Morgan, quem refere os saxofonistas Lou Donaldson e Red Holloway tem de referir o baterista Idris Muhammad… —, a sua relação com a incontornável editora Blue Note, o Hammond B3, órgão que aprendeu a amar na adolescência e cujas potencialidades explorou desde o início de uma prolífica carreira de cinco décadas... Só não podia falar sobre o turbante, que começou a colocar na cabeça em 1976 (em anos anteriores, já havia experimentado uma pequena colecção de boinas e chapéus) e que se tornaria parte de uma imagem de marca que se completava com uma esplendorosa barba, capaz de rivalizar com a do saxofonista Pharoah Sanders, outra lenda do jazz. Morreu esta terça-feira, aos 79 anos, vítima de fibrose pulmonar, o organista Dr. Lonnie Smith, referência dos cruzamentos entre a música soul e o jazz.

Sugerir correcção
Comentar