Portugueses consumiram mais suplementos alimentares durante a pandemia

Sete em cada dez inquiridos pela Deco Proteste admitiram ter recorrido a suplementos alimentares para aumentarem a resistência imunitária à covid-19.

Foto
UNSPLASH/Danilo Alves

As mulheres, com idades a rondar os 39 anos, são quem mais recorre a suplementos alimentares: 59%, segundo um estudo da Deco Proteste, conhecido nesta terça-feira. O estudo conseguiu apurar que a procura destes produtos está associada a pessoas com níveis de escolaridade mais elevados, aumentando à medida que as habilitações literárias são maiores. 

Segundo o mesmo estudo, 41% dos portugueses consome regularmente suplementos alimentares, um hábito que acabou por ser reforçado com o início da pandemia da covid-19: três em cada dez portugueses aumentaram a toma deste tipo de substâncias desde 2020. 

Reforçar o sistema imunitário é o grande objectivo por detrás da toma de suplementos alimentares pela grande parte dos inquiridos (61%) do estudo, para além da vontade de ganhar mais energia (60%) e garantir os níveis suficientes de vitaminas e minerais no organismo (52%).

Foto
O porquê da toma de suplementos alimentares. DECO PROTESTE

Porém, com a pandemia, 71% dos consumidores recorreram aos suplementos alimentares como uma forma de protecção complementar à infecção da covid-19, apesar de não haver qualquer explicação científica que comprove que o consumo deste tipo de produtos resulte numa maior resistência ao vírus. 

Os dados da Deco Proteste acrescentam ainda que para a maioria (76%) dos inquiridos adquirir o hábito de tomar suplementos alimentares deve ser feito com base na opinião e supervisão de um profissional de saúde. De facto, 35% admite ter-se informado junto de um médico antes de consumir este tipo de produtos. Contudo, 34% escolheu a Internet como a sua única fonte de informação, 27% da amostra recorreu a opiniões de familiares ou amigos e 6% informou-se junto de influencers ou criadores de conteúdo nas redes sociais

Foto
Fontes de informação dos inquiridos para a toma de suplementos alimentares. DECO PROTESTE

É, sobretudo, nas farmácias que os portugueses compram este tipo de produtos, apesar de as plataformas online serem já a preferência para 42% dos consumidores.