“Um défice orçamental nunca é uma folga”

Nazaré da Costa Cabral, presidente do Conselho das Finanças Públicas alerta, a duas semanas da apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2022, que a situação financeira do país “não é confortável” e apela um debate sobre estratégia de consolidação orçamental.

Humano
Fotogaleria
Daniel Rocha
orcamento-estado-2022,conselho-financas-publicas,financas-publicas,economia,
Fotogaleria
Daniel Rocha
orcamento-estado-2022,conselho-financas-publicas,financas-publicas,economia,
Fotogaleria
Daniel Rocha
orcamento-estado-2022,conselho-financas-publicas,financas-publicas,economia,
Fotogaleria
Daniel Rocha
orcamento-estado-2022,conselho-financas-publicas,financas-publicas,economia,
Fotogaleria
Daniel Rocha

Numa altura em que se entra na fase decisiva da construção do OE para o próximo ano, a presidente do Conselho das Finanças Públicas assinala que a política orçamental em Portugal nos próximos anos vai ter no Plano de Recuperação e Resiliência um “almoço grátis” que permite aumentar a despesa, sem uma imediata expressão orçamental. E, por isso, defende que esta pode ser a altura para discutir estratégias de consolidação. Na frente europeia, Nazaré da Costa Cabral revela muito pouca confiança que uma reforma das regras orçamentais possa avançar já a partir de 2023.