FC Porto preparado para impedir que o Liverpool volte a ser feliz no Dragão

Sem Mbemba e provavelmente sem Pepe, os “dragões” recebem esta noite os “reds”, que golearam nas duas últimas deslocações ao Estádio do Dragão em jogos da Liga dos Campeões

Foto
Reuters/PHIL NOBLE

A história vale o que vale e no futebol o histórico de confrontos entre dois clubes pouco ou nada diz aos jogadores quando o árbitro apita para o início da partida. No entanto, a notícia da visita do Liverpool de Jürgen Klopp ao Estádio do Dragão deixa, certamente, muitos adeptos do FC Porto com o sobrolho franzido e um frio na barriga: em 2018 e 2019, os “reds” venceram na casa dos portistas por 0-5 e 1-4. Com as duas goleadas sofridas bem frescas na memória, mas também com uma meritória e moralizante exibição em Madrid frente ao Atlético no currículo desta edição da Liga dos Campeões, Sérgio Conceição alerta que esta noite (20h00, TVI) defrontar “a melhor equipa do mundo em alguns momentos do jogo”, mas garante que os “dragões” têm argumentos para serem “muito competitivos e ganharem”.

A estreia do FC Porto na Liga dos Campeões 2021/22 foi há duas semanas em Madrid no Wanda Metropolitano e foi um alerta à concorrência: no temível Grupo B, os “dragões” não se vão esconder ou abdicar de lutar por um dos dois primeiros lugares. Ontem, ainda em solo inglês, Jürgen Klopp fez questão de recordar essa partida contra o Atlético, dizendo que “se tivesse que existir um vencedor nesse jogo seria o FC Porto”, o que “diz muito da equipa” que o Liverpool vai defrontar na segunda jornada do Grupo B da Liga dos Campeões.

No entanto, mesmo tendo desvalorizado as boas memórias que tem dos últimos jogos que fez no Dragão - “Isso para nós não serve de nada. Faz parte do passado” -, o técnico alemão tem conseguido encontrar o antídoto para desmontar as estratégias de Sérgio Conceição.

Sempre nas fases a eliminar (oitavos-de-final em 2017/18; “quartos” na época seguinte), o Liverpool tem sido um pesadelo para o FC Porto, que parece não “encaixar” no habitualmente ataque móvel dos “reds” - Sadio Mané marcou quatro golos nessas duas partidas entre portugueses e ingleses no Dragão - e, para complicar ainda mais a tarefa de travar Mané, Salah, Jota e companhia, é pouco provável que Conceição, que já tem garantida a baixa de Mbemba por castigo, tenha Pepe a liderar a sua defesa.

Na antevisão de novo duelo com Klopp, o treinador do FC Porto admitiu que “o ponto da situação não é risonho”: “Não treinou, vamos ver amanhã [hoje]. Vai ser até à última a ver se o conseguimos recuperar. Pode interferir na nossa postura em campo e na estratégia para o jogo estar o Pepe ou não estar.”

Embora sublinhe que “cada jogo tem a sua história”, Conceição reconhece “ a identidade do Liverpool não mudou” e, sem poupar nos elogios ao rival, o treinador portista diz que vai ter pela frente um adversário que “em alguns momentos do jogo, é a melhor equipa do Mundo”. “Trata-se de uma equipa forte no que faz, super agressiva na recuperação de bola, com ataques rápidos à baliza do adversário. Tem muitos pontos fortes e estamos alertados para isso.”

Num jogo que “vai ser diferente” do duelo frente ao Atlético de Madrid “porque o Liverpool tem características, ideias e dinâmicas de jogo completamente diferentes”, Conceição diz ter a equipa “preparada para ganhar”, tendo, para isso, que “estar num momento altíssimo para contrariar este favoritismo do adversário, que é teórico”.

A teórica vantagem que o Liverpool pode ter no duelo frente ao FC Porto deve-se, também, à qualidade de um ex-portista, que ontem foi muito elogiado por Klopp. Para o treinador germânico, Diogo Jota “tem uma personalidade muito forte e apesar de ser jovem é muito maduro”. É muito bom trabalhar com ele. Não é fácil melhorar a nossa equipa, mas ele conseguiu isso. É um jogador feito para o nosso estilo”, afirmou o técnico.

Já o internacional português, que vai reencontrar o clube que representou em 2016/17, assegura que os jogadores do Liverpool estão “impedidos de relaxar”, porque será “um jogo extremamente difícil” para os ingleses. “Sei a dificuldade que é jogar no Dragão como visitante e já alertei os meus companheiros para isso. Estou feliz por voltar e acho que vai ser um jogo dividido”, concluiu o avançado de Gondomar.