Resultados autárquicas: PS renova mandato para a Câmara de Beja

Dados finais do resultado eleitoral no concelho de Beja confirmam a renovação do mandato socialista na Câmara de Beja, mas perdendo a maioria absoluta.

Foto
LUSA/PEDRO REIS MARTINS

Ainda sob o efeito da quebra demográfica, a população do concelho de Beja voltou às urnas tendo no horizonte a manutenção da gestão socialista ou o regresso da CDU. Um cenário que se repete desde 2009.

Recorde-se que nas eleições autárquicas de 2017 o PS recebeu a preferência de 7728 eleitores (46,25%) e elegeu 4 mandatos. A CDU, a força política derrotada, obteve 6284 votos (37,61%) e 3 mandatos. Nas eleições deste domingo o PS obteve 39,1% dos votos, seguindo-se a CDU com 32,8% e a coligação PSD/CDS alcançou os 18,5%, percentagem que lhe valeu recuperar um lugar na vereação da Câmara de Beja.

A candidatura da CDU escolheu Vítor Picado (44 anos), vereador no actual executivo, para “reconquistar a Câmara de Beja, resgatando-a ao marasmo a que a gestão do PS a condenou”, como vincou Jerónimo de Sousa no comício de apresentação da lista desta força política no dia 11 de Setembro.

A resposta ao desafio do líder comunista foi dada pelo secretário-geral do PS, António Costa, na última deslocação à capital do Baixo Alentejo em campanha pelas autárquicas. “Há quatro anos ninguém acreditava na vitória de Paulo Arsénio. Hoje pouca gente duvida que vai voltar a ganhar a autarquia bejense”.

Nem o próprio eleito. Na ressaca do acto eleitoral de 2017, Paulo Arsénio nas declarações que prestou ao PÚBLICO reconhecia sem disfarçar a estupefacção: “Ainda não estou em mim, mas sinto que estou muito sóbrio” confessando a surpresa por ter derrotado “um dos derradeiros autarcas dinossauros”. Referia-se a João Rocha, que foi presidente da Câmara de Serpa durante 37 anos e que tinha recuperado ao PS o município de Beja liderando entre 2009 e 2013 por Pulido Valente, que agora concorre numa lista de independentes à Câmara de Mértola, onde já foi presidente entre 2001 e 2009.

As expectativas sobre o resultado das autárquicas em Beja colocaram a alternância com a opção escolhida pela população do concelho de Beja. Paulo Arsénio que assumiu ter como objectivo renovar o mandato acabando assim com a alternância na gestão municipal, viu confirmado o seu objectivo alcançado a “estabilidade” na gestão municipal que, à partida, os mandatos sucessivos facultam, mas perdeu a maioria absoluta com a entrada de um vereador do PSD. Assim o PS fica com 3 mandatos, a CDU também e o PSD 1 mandato.

Acompanhe aqui os resultados eleitorais.