Lisboa: os novos “velhos tempos”

A capital foi governada em função da atracção de investimento imobiliário, do turismo de massas, dos grandes eventos internacionais, dos hubs de empreendedorismo e dos nómadas digitais. Suspeito que o projecto de Fernando Medina – a cidade encarada enquanto produto – será aprofundado por Carlos Moedas, mas agora de forma menos dissimulada.

Foto
Rui Gaudêncio

Fernando Medina caiu em Lisboa, algo que já era possível adivinhar, não através das sondagens, mas do enorme descontentamento e desgaste sentido nas ruas. O antigo presidente da câmara não governou para os seus eleitores, antes pelo contrário: estes foram sendo expulsos ou desistiram de viver na cidade ao longo do seu mandato, como comprovam os resultados recentes do Censos 2021.

Na última década a cidade perdeu 7849 habitantes. Metade das suas freguesias registaram uma evolução demográfica negativa, atingindo no centro histórico quedas superiores a 20%. Os preços da habitação subiram exponencialmente coadjuvados pelos vistos gold, o estatuto de residente não habitual, a alteração à lei dos arrendamentos de Assunção Cristas e a desregulação reinante no mercado imobiliário – agravada pelas novas e intocáveis plataformas de alojamento local.

A capital foi governada em função da atracção de investimento imobiliário, do turismo de massas, dos grandes eventos internacionais, dos hubs de empreendedorismo e dos nómadas digitais – em suma, do incremento da competitividade em prol da globalização. Fernando Medina seguiu à risca a cartilha de política económica neoliberal – o mercado comandou as políticas urbanas e não o inverso. Se, ao menos, o retorno do investimento obtido na capital tivesse sido redistribuído no sentido da redução das desigualdades e problemas urbanos a nível metropolitano (do qual era presidente da associação de municípios), poderíamos vislumbrar alguma ponta de socialismo. Mas não, Medina fez tudo para alimentar a bola de neve – canalizou milhões de euros para os grandes projectos urbanos imaginados por Manuel Salgado e alienou grande parte do património municipal para privados.

A pandemia de covid-19 expôs as enormes vulnerabilidades deste modelo a nível social, económico e sanitário. Com menos moradores e uma economia pouco diversificada  (sobre)dependente do sector turístico e imobiliário –, os apoios para manter a capacidade produtiva instalada (ao nível do comércio, da restauração, do turismo) e suprir as enormes carências sociais numa cidade que se vive em esforço tiveram que ser hercúleos. Silêncio aterrador nas ruas vazias, surtos de covid-19 nas habitações sobrelotadas onde vivem os imigrantes, os estudantes, os jovens adultos, etc.

Suspeito que o projecto de Fernando Medina  a cidade encarada enquanto produto  será aprofundado por Carlos Moedas, mas agora de forma menos dissimulada. A fábrica de unicórnios cujo objectivo é “trazer conhecimento e experiência de topo mundial para o empreendedorismo local”, a criação do Balcão Único para os empreendedores e investidores em Lisboa, o sonho de tornar Lisboa a capital Global da Economia azul são sinais de que o caminho iniciado não se vai inverter. A tentativa de resolução dos problemas de habitação via benesses fiscais ao nível dos créditos bancários para os jovens ou do parque público camarário – que aliás não difere grandemente da proposta de outros partidos – revela o desinteresse no âmbito da regulação do mercado imobiliário e será certamente uma resposta insuficiente face às graves carências verificadas.

Lisboa continuará a ser regida pelos ratings globais da competitividade (e não pelo esforço de reduzir as desigualdades), pelos unicórnios inovadores, pelos grandes eventos e pela implacável inflação dos preços do imobiliário. Gostava de estar enganado, mas pressinto que a capital se tornará um paraíso para as elites económicas nacionais e internacionais e um inferno proibitivo para os restantes cidadãos. Bem-vindos aos “novos tempos”, do quais de novo se antevê muito pouco.