Erdogan admite voltar a comprar sistemas antimísseis à Rússia

Presidente turco diz que, apesar de a Turquia ser Estado membro da NATO, “ninguém pode interferir” no seu processo de escolha e de aquisição de armamento. EUA admitem novas sanções.

Foto
Recep Tayyip Erdogan, Presidente da Turquia MURAT CETÄ°NMUHURDAR/PPO/Reuters

Recep Tayyip Erdogan, Presidente da Turquia, admitiu que o país está a ponderar comprar mais um sistema antimísseis à Rússia apesar da oposição da NATO – aliança da qual faz parte – e dos Estados Unidos, que já lhe impuseram sanções no final do ano passado.

Numa entrevista à televisão norte-americana CBS News, transmitida no domingo, o chefe de Estado turco disse que “ninguém pode interferir” no processo de escolha e de aquisição de armamento por parte de Ancara.

“No futuro, ninguém será capaz de interferir em relação a que tipo de sistema de defesa adquirimos, de que país e em que nível. Ninguém pode interferir nisso. Somos os únicos a poder tomar essas decisões”, afirmou Erdogan.

Em 2019, a Turquia deixou os aliados da NATO em alvoroço ao anunciar a compra do sistema de defesa antimíssil S-400 à Federação Russa. Para além de incompatível com o equipamento militar utilizado pelos membros da aliança atlântica, o S-400 põe em risco a utilização e a partilha de informação dos caças norte-americanos F-35.

Por isso mesmo, Washington suspendeu a participação de Ancara do programa dos F-35 e, ao abrigo do Countering America’s Adversaries Through Sanctions Act (CAATSA), impôs sanções à Presidência das Indústrias de Defesa – uma instituição civil criada por Ancara para fortalecer a indústria de segurança nacional e gerir o fornecimento de tecnologia militar –, ao seu director e a outros três funcionários nas semanas finais da Administração Trump.

Em resposta às declarações de Erdogan, os EUA voltaram a acenar com a possibilidade de sanções caso a Turquia avance para a compra de armamento russo

“Continuamos a deixar claro à Turquia que qualquer nova e significativa compra de armas russas arrisca accionar as sanções, separadas ou em acréscimo àquelas impostas em Dezembro de 2020, previstas pelo CAATSA”, declarou um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, citado pela Al-Jazeera.

Ainda assim, Erdogan está disposto a avançar para a compra de um segundo sistema S-400. A divulgação destas declarações em vésperas de se reunir com Vladimir Putin, Presidente russo, fazem antever que o tema da reunião em Sochi (Rússia) – agendada para quarta-feira – não seja apenas a violência no Noroeste da Síria.

À CBS, o chefe de Estado turco também criticou os EUA por ainda não terem fornecido os mísseis Patriot e os caças F-35 que a Turquia comprou, a troco de 1,4 mil milhões de dólares (cerca de 1,2 mil milhões de euros).