Depósitos das famílias recuaram em Agosto, pela primeira vez em 12 meses

Crédito para compra de casa voltou a acelerar, de acordo com os dados do Banco de Portugal. Já os depósitos das empresas atingiram novo máximo histórico.

Foto
Andreia Patriarca

Em Agosto, a evolução da poupança dos portugueses traz boas e más notícias. O consumo das famílias aumentou e o volume de poupança, que em Julho estava prestes a superar os 170 mil milhões de euros, acabou por recuar em cerca de 600 milhões de euros. Trata-se da primeira queda do stock de poupança dos últimos 12 meses.

No mês de férias de grande parte dos portugueses, o volume total de depósitos a prazo e à ordem fixou-se em 169,3 milhões de euros, contra 169,9 atingidos em Julho, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal (BdP).

Mas também há um dado positivo. Face a Agosto de 2020, o montante de depósitos que os particulares detinham em bancos residentes cresceu 7,1%, e em aceleração face ao crescimento de 6,6% registado no passado mês de Julho do corrente ano.

“Desde Março de 2020, as famílias têm reforçado os seus depósitos junto da banca. Este crescimento tem apresentado uma tendência e valores próximos dos da área do euro”, destaca o supervisor do sistema bancário.

Em crescimento continua o recurso ao crédito. O montante total de empréstimos concedidos aos particulares para habitação cresceu 4% em relação a Agosto de 2020 para 95,6 mil milhões de euros, em aceleração face ao crescimento de 3,9% no mês anterior.

Os empréstimos ao consumo também cresceram, mas em ligeira desaceleração. Em Agosto, cresceram 1,3% face ao mesmo mês de 2020, fixando-se em 19 mil milhões de euros, abaixo da taxa de variação anual de Julho, que foi de 1,6%.

Do lado das empresas, contrariando a evolução verificada em 2020 e no início de 2021, em grande parte relacionada com o impacto das linhas de apoio à economia concedidas no contexto da pandemia, o ritmo de crescimento dos empréstimos voltou a diminuir pelo quarto mês consecutivo. “Ainda assim”, – destaca o BdP - “os empréstimos às empresas têm aumentado a um ritmo superior ao observado na área do euro”.

Em sentido contrário estão os depósitos, que desde Maio de 2020 têm crescido acima dos 14%. Em Agosto, estes depósitos cresceram 16,3% em relação ao mesmo mês do ano passado, para 58,8 mil milhões de euros, uma evolução  acima dos 14,8% registados no mês anterior e que permite atingir um novo máximo histórico.