À espera da Alemanha

Temos de esperar que a Alemanha se defina um bocadinho melhor nos resultados eleitorais, mas também, certamente, perante o futuro.

Um recente estudo do European Council on Foreign Relations, revelava que a chanceler, Angela Merkel, recolhe hoje, no momento da despedida, opiniões favoráveis da maior parte do eleitorado, nos diferentes países europeus. A maioria confia na sua liderança, acha que é um elemento integrador na União Europeia, mas, paradoxalmente, aquilo que deseja para o continente no futuro não será possível, a manter-se uma liderança tipo Merkel, mais dada a garantir o statu quo do que a enfrentar os problemas com soluções políticas mais definidoras e, consequentemente, mais divisoras.