A família: suas contradições e desencantos

O que importa é a complexidade contraditória das relações entre as personagens, as suas motivações ou falta delas, e a forma como a – enfim – ideologia de pais e filhos arrasta as personagens

teatro-municipal-sao-luiz,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,literatura,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
teatro-municipal-sao-luiz,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,literatura,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
teatro-municipal-sao-luiz,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,literatura,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
teatro-municipal-sao-luiz,teatro-nacional-d-maria-ii,critica,literatura,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria

A ideia é radical, mas Arkasha e a sua amiga Camarada – que talvez se chame realmente Eugénia – estão decididos a seguir em frente e, com firmeza e determinação revolucionárias, informar os pais de que vão cortar todas as relações familiares por mor do seu propósito em levar avante o objectivo de abolir a família. Nem mais. Mas adianto-me. Afinal, antes de Pais & Filhos aqui chegar, os espectadores souberam pelo autor, que é também intérprete, da sua reflexão sobre autoria e co-autoria, ou melhor, de como autoria é sempre co-autoria, e ficaram a par das reais atribulações dele e do marido para serem pais recorrendo à gestação por substituição. Confusos?