A América de Biden ou a nova realidade estratégica

Acima da amizade estão os interesses. Para a Casa Branca, a China é a prioridade. Depois do desastre afegão, os americanos restabelecem a sua “credibilidade”, mesmo à custa da humilhação de um aliado.

Foto
EVELYN HOCKSTEIN/EPA

Muito se falou e escreveu sobre a viragem dos Estados Unidos para o Indo-Pacífico. Depois de muita doutrina, ei-la que passa a realidade. A parceria AUKUS (Austrália, Reino Unido e Estados Unidos) é um revelador do novo contexto estratégico mundial. Para Washington, a China é a prioridade. E o Indo-Pacífico é o principal teatro do grande conflito geopolítico do século XXI.