Açores: quando o independente agrada a gregos e troianos

Rui Rio e António Costa estão esta quinta-feira nos Açores em campanha. Os líderes procuram votos num território com particularidades. O independente que se recandidata na Calheta teve o apoio do PS em 2017 e agora do PSD.

Foto
EDUARDO COSTA

Em quatro anos, muita coisa pode mudar. Em período eleitoral autárquico, emergem várias histórias de candidatos que mudam de camisola partidária, mas também existem casos em que é o próprio partido a decidir alterar o apoio ao recandidato de um ato eleitoral para o outro.

No meio do atlântico, há um independente que tem coleccionado apoios em campos apostos. O actual presidente da Câmara Municipal da Calheta, na ilha de São Jorge, nos Açores, recandidata-se a um terceiro mandato à frente da autarquia e diz sentir-se um “privilegiado”. Afinal, é o único autarca que se pode gabar de ter no currículo o apoio de dois presidentes do governo açoriano de partidos diferentes: um do PS, outro do PSD.

“Sinto-me uma pessoa privilegiada. Não acredito que haja muitos presidentes de Câmara que tenham o apoio de dois presidentes do governo: um da esquerda, outro da direita, não é fácil”, afirmou o independente ao PÚBLICO.

Décio Pereira encabeça o movimento ‘Dar Vida ao Concelho’ que conta com o apoio do PSD para as eleições autárquicas de Setembro. Numa eleição a dois, vai a votos contra o candidato do PS, Dário Ambrósio. Mas se o PS é o adversário nas eleições deste ano, há quatro anos a história foi diferente. Nas autárquicas de 2017, o PS apoiou a candidatura de Décio Pereira, enquanto o PSD apresentou um candidato próprio.

Em quatro anos, o apoio mudou de cor, mas certas coisas permaneceram inalteráveis. Às vezes é preciso mudar para que fique tudo na mesma. Nas últimas duas eleições, o movimento independente de Décio Pereira teve sempre o apoio do partido do presidente do governo dos Açores. Em 2017, foi de Vasco Cordeiro, socialista, que ainda lidera o PS na região. Em 2021, cabe a Bolieiro, líder do executivo açoriano de coligação PSD, CDS-PP, PPM e presidente do PSD-Açores, apoiar a recandidatura.

“Se calhar é um pouco contraditório para os partidos responderem [sobre o apoio], mas para mim não é. Isso é um sinal de que o senhor Vasco Cordeiro e o senhor José Manuel Bolieiro, reconhecem o trabalho que tem sido feito na autarquia calhetense”, afirmou Décio Pereira, referindo, contudo, que as ajudas partidárias são “secundárias”: “cada partido é que é responsável pelas opções que toma”, conclui.

O candidato tem motivos para estar confiante. Nada prevê que falhe a reeleição. Teve 62,55% dos votos (quatro mandatos) nas últimas eleições. Em segundo, ficou um outro movimento independente que alcançou 15,38% (um mandato). Mesmo com o PS fora da corrida, o PSD só obteve 14,10% dos votos para o município da Calheta em 2017. Analisadas as contas, talvez esses resultados ajudem a explicar a mudança de posição dos sociais-democratas. Veremos agora se o PS é capaz de fazer melhor.