Queijo Serra da Estrela: não é provador quem quer, só é provador quem sabe

O mais antigo dos queijos portugueses tem que ser sujeito a um painel de especialistas antes de obter o rótulo revelador da sua identidade e características únicas. Avaliam-lhe a crosta, a forma e consistência, a textura e a cor da pasta e, claro está, o sabor e o aroma.

Foto
Adriano Miranda

Já vai sendo cada vez mais do conhecimento geral que por detrás de um selo DOP (Denominação de Origem Protegida) está um rigoroso processo de controlo do produto que chega às mãos dos consumidores. O que nem todos saberão é que, no caso do Queijo Serra da Estrela, esse crivo é ainda mais apertado, especialmente quando comparado com outros queijos DOP. Aquele que é tido como o mais antigo queijo português tem que ser sujeito à avaliação rigorosa de um painel de provadores qualificados. Verdadeiros especialistas neste produto que a Estrela nos dá e que têm, também eles, de cumprir uma série de requisitos. É caso para dizer que não é provador quem quer, só quem tem acuidade sensorial e aceita submeter-se a uma formação própria. Com a garantia de que, também no que toca ao Queijo Serra da Estrela, é preciso ter a lição bem estudada.