Em Lisboa e Porto há uma maioria a admitir restringir o acesso dos carros a parte da cidade

Num inquérito feito pelos ambientalistas da Zero, criar zonas de emissões reduzidas ganha mais adeptos à esquerda, mas quer Rui Moreira, no Porto, quer Carlos Moedas, em Lisboa, assumem iniciativas do género no programa.

ps,ambiente,espanha,transportes,poluicao,alteracoes-climaticas,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
ps,ambiente,espanha,transportes,poluicao,alteracoes-climaticas,
Fotogaleria
Nelson Garrido

Esta quarta-feira é Dia Europeu sem Carros. Há 21 anos que se assinala a data e, este ano, em plena campanha eleitoral autárquica, a associação ambientalista Zero fez um inquérito sobre as opções de mobilidade das várias candidaturas aos municípios de Lisboa e Porto. Uma das questões abordadas era a eventual adesão à criação de zonas da cidade com menos carros e as respostas evidenciam que mexer com o espaço dedicado ao automóvel nestas cidades ainda não é consensual, mas, apesar de ser um assunto que gera menos reservas à esquerda, vai entrando no discurso político de forças mais à direita.