Patrões querem que legislação obrigue trabalhadores a fazerem teste à covid-19

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) defende que deve ser criada uma legislação que obrigue os trabalhadores a fazerem teste à covid-19 porque há trabalhadores que não querem estar ao lado de colegas que não foram vacinados.

Foto
A ideia não é vista com bons olhos pelos sindicatos bruno lisita

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) defende que deve ser criada uma legislação que obrigue os trabalhadores a fazerem teste à covid-19. “Há empresas com alguma tensão porque trabalhadores que não querem estar ao lado de colegas que se sabe que não foram vacinados”, disse à RTP e à Rádio Renascença António Saraiva, líder da CIP.

Para o presidente da CIP, os encargos monetários com os testes devem ficar a cargo dos próprios trabalhadores. “Sendo a vacina gratuita, os testes devem ficar a cargo daqueles que não querendo ser vacinados terão que se sujeitar a testagens obrigatórias”, disse ainda António Saraiva. “Terá que ser uma directiva emanada do Governo porque sendo dada às pessoas a liberdade de não serem vacinadas, não se lhes pode dar a liberdade de, com esse acto, aumentarem a probabilidade de infectarem uma comunidade empresarial, seja ela qual for”.

Mas esta ideia não é vista com bons olhos pelos sindicatos. “Se a questão não está transformada em obrigatória, ninguém pode obrigar um trabalhador para entrar numa empresa a estar vacinado. Tem de ser uma questão de pedagogia e cada um tem e fazer o seu papel”, disse à RTP Carlos Silva, secretário-geral da União Geral de Trabalhadores (UGT).

Esta quinta-feira, o Governo italiano aprovou um decreto para exigir o “passaporte sanitário” a todos os trabalhadores, uma medida que entrará em vigor a 15 de Outubro e tornará a Itália no primeiro país europeu a solicitar este certificado no emprego.

O “passe verde” da covid-19, como é chamado em Itália, já é exigido para determinadas circunstâncias, como o acesso ao interior de bares e restaurantes, ginásios, museus ou convenções, e será agora solicitado a todos os funcionários do sector público e privado.