Por onde os ricos andam deixam cinzas no caminho

O mundo que se conta a partir do que se diz.

“A riqueza não precisa de quem a cante, porque se canta a si mesma./ Mas estes pobres, que canto têm?/ Vou cantar aos pobres, lá longe, na margem do rio, onde não nos ouçam os ricos,/ porque se nos ouvem vão querer comprar-nos o canto para no-lo venderem a nós mesmos e fazer o negócio do século.” Jaime Jaramillo Escobar (X-504), poeta colombiano.