Consumidores com protecção reforçada nas compras através de plataformas digitais

Governo vai mais longe que o direito comunitário no prazo das garantias, na rejeição de bens e na resolução dos contratos. “Vida” curta dos bens vai ser classificada como prática comercial desleal.

Foto
Secretário de Estado de Defesa do Consumidor, João Torres, apresentou principais alteraçôes ao regime das garantias Rui Gaudencio

O diploma aprovado recentemente em Conselho de Ministro, que transpõe para o direito nacional duas directivas europeias de protecção do consumidor (770 e 771), nomeadamente em relação à duração de garantias de bens móveis e imóveis, vai além da legislação europeia em várias matérias, ou é, nas palavras do Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, “inovador e sofisticado”.