Encontros felizes

A obra de Vieira da Silva posta em diálogo com um século de arte portuguesa, na apresentação de uma grande colecção privada em Lisboa.

Foto
Isabella Glock

Poucos conhecerão a amplitude da colecção reunida por Ilídio Pinho, grande industrial português, e que no princípio do milénio, em homenagem ao seu filho, prematuramente falecido, fundou a Fundação Ilídio Pinho para a criação de projectos diversos de âmbito educativo e cultural. É sob a égide deste organismo que chegou a Lisboa, ao espaço da Fundação Arpad Szènes – Vieira da Silva (FASVS), uma selecção das muitas obras que a compõem, com a curadoria de Miguel von Hafe Pérez que, com Alcino Cardoso e Alberto Carneiro, foi membro de um Conselho das Artes junto do coleccionador para a constituição deste acervo. Miguel von Hafe Pérez, curador independente de mérito reconhecido, assina aqui uma exposição com 37 artistas que, como tantas vezes sucede nos seus projectos, ambiciona criar diálogos inusitados entre obras e épocas, abstraindo-se do mais convencional critério cronológico.

Sugerir correcção
Comentar