Estação de metro de Arroios, em Lisboa, vai (finalmente) reabrir

A estação da Linha Verde passa agora a receber composições de seis carruagens, o que vai melhorar a velocidade do serviço, assegura a empresa.

Foto
Estação esteve mais de quatro anos fechada, dificultando a vida dos moradores e comerciantes de Arroios Nuno Ferreira Santos / Arquivo

A estação de metro de Arroios vai reabrir esta terça-feira, dia 14 de Setembro, totalmente renovada, adianta a Metropolitano de Lisboa em nota de imprensa. Fechada para obras desde Julho de 2017, estava previsto que iria estar pronta no início de 2019 mas o prazo derrapou até agora, tendo a empreitada mudado de mãos a meio do percurso. 

Os trabalhos de ampliação e renovação da estação de metro tiveram como principal objectivo ampliar o cais de 70 para 105 metros, de forma a receber composições de seis carruagens, e dotar a infra-estrutura de três elevadores para acesso de pessoas de mobilidade reduzida. A remodelação contemplou ainda a reformulação dos átrios e a reorganização dos espaços de apoio à exploração.

Mas passado um ano e meio do encerramento da estação de Arroios, as obras pouco tinham avançado e os tapumes colocados na Praça do Chile mantinham-se no mesmo sítio. Esta situação criou vários problemas aos comerciantes, que perderam clientela ou viram-se obrigados a fechar os seus estabelecimentos. Para tentar compensar estas perdas, a Câmara de Lisboa acabou por suspender a cobrança de taxas de publicidade aos comerciantes até ao final da reabilitação. Já os moradores tiveram de desviar os seus percursos para as estações dos Anjos ou Alameda. 

Em Janeiro de 2019, altura em que a estação deveria reabrir, o Metro de Lisboa rescindiu o contrato com o empreiteiro devido a atrasos no cumprimento de prazos. Em Fevereiro do mesmo ano, foi lançado um novo concurso, cuja adjudicação foi aprovada passado sete meses. A empresa remeteu o procedimento para visto prévio do Tribunal de Contas a 8 de Novembro. A declaração de conformidade do Tribunal de Contas foi promulgada em 27 de Dezembro de 2019 e enviada à empresa no dia 30.

A empreitada foi - novamente - adjudicada em Janeiro de 2020 ao consórcio composto pela DST, Efacec e DTE/Cari, pelo valor de 6,6 milhões de euros (acrescido de IVA), mais dois milhões do que o custo fixado inicialmente. Mas os prazos voltaram a não ser cumpridos e as obras na estação acabaram três meses depois do que era suposto.

A inauguração da estação renovada contará com a presença do ministro do Ambiente e da Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes, e do presidente do Conselho de Administração do Metro de Lisboa, Vitor Domingues dos Santos.

Texto editado por Ana Fernandes