Perplexidade e sentimento de rejeição

No 11 de Setembro, Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, estava na sede do partido quando soube do atentado nos EUA. Este é um dos depoimentos recolhidos pelo PÚBLICO para assinalar a data.

Foto
Secretário-geral do PCP Filipa Fernandez

Estava na sede do PCP vivi aquele dia com perplexidade e um sentimento de rejeição de um atentado visando vítimas inocentes. Atentado que o facto de, na política externa dos EUA, se encontrarem actos não menos condenáveis, não justifica. E não deixei de sentir que este bárbaro atentado iria dar pretexto à Administração norte-americana para intensificar a sua política de agressões e ingerência.

Sugerir correcção
Comentar