Vinhos & Sabores 2021 revela programa de provas especiais

O maior evento português de vinhos regressa em Outubro, após uma paragem forçada em 2020. Nos dias 16, 17 e 18, o país vinícola está à espera de ser descoberto, na feira Vinhos & Sabores, organização conjunta da revista Grandes Escolhas e do PÚBLICO. O programa inclui provas especiais e os bilhetes já estão à venda.

Foto
Daniel Rocha

Em 2020, a tradição teve de ser interrompida: devido às restrições impostas por causa da crise sanitária, a feira Vinhos & Sabores, apresentada como “o maior evento vínico de Portugal”, não aconteceu.

Tal como um bom vinho, não estagnou. Estagiou, melhorou com o tempo, e agora está de volta. Entre os dias 16 e 18 de Outubro, o evento regressa à Feira Internacional de Lisboa, com um reforço: a organização, até aqui um esforço a solo da revista Grandes Escolhas evoluiu para uma parceria com o PÚBLICO.

“O PÚBLICO sempre foi o exemplo de jornalismo profissional, rigoroso, independente, credível”, explica Luís Lopes, director da revista Grandes Escolhas, defendendo que estes valores “são igualmente aqueles com que a Grandes Escolhas se identifica e que pratica desde a sua primeira edição”. Manuel Carvalho, director de PÚBLICO e presença regular nas páginas de vinhos da Fugas, sublinha o contributo de “rigor, inovação e competência” de Luís Lopes e da sua equipa para o “jornalismo especializado de vinhos no país”. Esta parceria, acredita, será “bem mais do que uma sintonia de valores e princípios: é igualmente uma apologia ao papel que o jornalismo pode e deve desempenhar no nosso tempo.”

Além da vertente de feira, com mais de 350 expositores e para cima de 200 stands de vinhos, nos 6 mil metros quadrados do pavilhão 4 da FIL caberá também um programa de animação vínica para agradar tanto a enófilos encartados como a neófitos entusiastas, entre provas especiais, provas rápidas e as iniciativas Encontro de Sabores, que abrem novos (e velhos) diálogos entre vinho e outros produtos nacionais de qualidade extraordinária.

A programação das duas últimas está ainda por anunciar, mas o alinhamento das provas especiais foi já anunciado – e os respectivos bilhetes colocados à venda. “É sempre desenhado para ser um dos pontos altos da feira”, explica João Geirinhas, director de negócio da Grandes Escolhas. “Procuramos que sejam provas marcantes e impactantes para os verdadeiros apreciadores ou apaixonados pelos vinhos.”

"Provas marcantes e impactantes"

As provas especiais são eventos dentro do evento, com lotação muito limitada, onde é dado a provar um desfile de vinhos especiais, muitas vezes raros ou inacessíveis no mercado, comentado pelos seus criadores. O alinhamento de vinhos é escolhido “em conjunto com o produtor e enólogo, quase sempre após sugestão editorial”, esclarece João Geirinhas. “Procuramos que sejam provas marcantes e impactantes para os verdadeiros apreciadores ou apaixonados pelos vinhos.”

O elenco de provas especiais deste ano arranca às 15h30 de dia 16, com a Casa da Passarella (Dão) e os brancos e tintos de excepção da sua gama Villa Oliveira. Segue-se a Quinta das Bágeiras, referência clássica da Bairrada, passada em revista em onze referências das marcas Garrafeira, Pai Abel, Avô Fausto e Aldeia da Fogueira. A encerrar o dia (19h30), “Os sublimes moscatéis da Bacalhôa”, uma prova que atravessa diversas décadas de um dos melhores licorosos do mundo.

O segundo dia traz “Um clássico do Alentejo” chamado Mouchão e os seus vinhos de marcado carácter e grande longevidade (15h30). Às 17h00, presta-se tributo às duas décadas de percurso da Wine & Soul de Jorge Borges e Sandra Tavares da Silva, entre tintos do Douro e portos de excelência. Por último, o vinho do porto em jeito de laboratório, com uma sessão de master blending em torno do Kopke 20 Years Old Tawny, partindo dos vinhos-base que estão na sua origem.

Estas provas duram cerca de uma hora e são acessíveis apenas a portadores de bilhete específico, com o custo de 50 euros por prova (que inclui o acesso à feira; o bilhete de acesso simples ao evento custa 15 euros e há descontos para assinantes do PÚBLICO ou da Grande Escolhas). 

Caso paire a dúvida sobre se é preciso ser-se um profundo conhecedor de vinhos para tirar partido destas provas, João Geirinhas esclarece: “Não, de todo! É preciso gostar de vinhos, ter paixão pelo tema e, sobretudo, querer aprender e querer conhecer melhor a casa, as marcas e o trabalho dos produtores e enólogos, provando sob a sua orientação e estabelecendo um diálogo com eles.​