O 11 de Setembro portas adentro

Unanimidade na condenação no terror, diferenças sobre a resposta que Portugal poderia e dever dar.

Foto
Jorge Sampaio e António Guterres, Presidente da República e primeiro-ministro em Setembro de 2001 Daniel Rocha

Na história de um jornal diário matutino em papel há um facto que indicia importância e urgência: a segunda edição. No PÚBLICO, tivemos a experiência por duas vezes: na invasão do Iraque, em 1991, e, há 20 anos, nos atentados às Torres Gémeas. Uma edição fechada às 6h e colocada em banca ao fim da manhã de 12 de Setembro. No mesmo dia, em escassas horas, duas edições. Para noticiar, explicar e também anotar como o 11 de Setembro nos entrou portas adentro.