Dois anos depois, greve está de volta à mesa dos motoristas

O decreto lei que vai regulamentar as cargas e descargas, dando melhores condições aos motoristas de transportes de mercadorias vai entrar em vigor este sábado. Mas ainda há muitos problemas por resolver. E há trabalhadores que querem voltar à greve.

Foto
Nelson Garrido

A primeira foi em Abril, e apanhou toda a gente de surpresa, com a população confrontada com camiões parados e a escassez de combustíveis. Depois, nova greve em Agosto, e um país cansado de greves, impaciente com as consequências e zangado com a falta de soluções. O ano de 2019 parece que já foi há muito tempo – até porque, pelo meio, começou uma pandemia – mas dois anos depois das greves dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas, “ainda há muitos e muitos problemas para resolver”, diz Anacleto Rodrigues. O presidente do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) elege as horas extraordinárias e a tabela salarial dos motoristas como as principais preocupações.