“As pessoas estão mais inclinadas para acreditar em teorias da conspiração”. E Trump só semeou mais desconfiança

Uma das teorias mais populares sobre o 11 de Setembro é que o atentado foi promovido pelas autoridades norte-americanas. A falsa narrativa nasceu nas horas depois do ataque de 2001, mas só começou a ganhar terreno em 2003, com o começo da guerra no Iraque. Mais foi com ascensão de Donald Trump à Presidência, em 2016, que ganhou poder online.

coronavirus,donald-trump,redes-sociais,eua,tecnologia,america,
Fotogaleria
Reuters/TOM BRENNER
coronavirus,donald-trump,redes-sociais,eua,tecnologia,america,
Fotogaleria
CARLOS BARRIA/REUTERS
coronavirus,donald-trump,redes-sociais,eua,tecnologia,america,
Fotogaleria
Reuters
coronavirus,donald-trump,redes-sociais,eua,tecnologia,america,
Fotogaleria
sHANNON STAPLETON / REUTERS

As teorias da conspiração em torno do 11 de Setembro começaram logo nos minutos e horas após a queda das Torres Gémeas e do ataque ao Pentágono. Durante a tarde, alguns partilhavam as ideias, sem fundamento, em mailing lists — grupos online a que as pessoas subscreviam para conversar antes do aparecimento das redes sociais. “Sou só eu, ou mais alguém percebeu?”, perguntava o utilizador “davidr” aos subscritores da conversa USAttacked, horas depois da colisão. “Vejam as imagens”, pedia. “Parece que foi uma demolição.” Estas teorias, nascidas de tentativas de perceber a tragédia, não receberam muita atenção até 2003, altura em que a desconfiança e descontentamento dos norte-americanos sobre a invasão do Iraque lhes deu força. Mas foi Donald Trump que lhes deu falsa legitimidade.