Festival Iminente muda-se para a Matinha

Festival lisboeta decorre em Outubro na antiga Fábrica de Gás da Matinha. Jovem rapper Nenny actuará pela primeira vez ao vivo em Portugal.

Foto
O músico Tristany apresentará a 10 de Outubro uma performance em formato de marcha popular, um trabalho que desenvolveu com crianças e jovens da Quinta do Lavrado. DANIEL ROCHA

O Festival Iminente muda-se do Panorâmico de Monsanto para a Matinha, mais precisamente para o que resta das instalações da antiga Fábrica de Gás da Matinha, na zona oriental de Lisboa.

A decorrer de 7 a 10 de Outubro, o festival dedicado às subculturas urbanas emergentes apresenta um cartaz predominantemente lusófono, com concertos de nomes como Plutónio, Pongo, Ana Moura, Dino D’Santiago, Julinho KSD ou Nenny, a jovem rapper que terá neste festival o seu primeiro concerto ao vivo em Portugal (dia 9, 21h), sublinha Carla Cardoso, directora do festival. Emir Kusturica e a sua No Smoking Orchestra estão de regresso (dia 8, 20h), mas o festival tem um cartaz internacional que inclui também os Slum Village, The Alchemist ou Ikram Bouloum.

O Iminente, que tem este ano a sua sexta edição, apresenta oito trabalhos site-specific na Matinha, encomendas do festival, de artistas como Obey, Escif, Nuno Viegas ou Raquel Belli.

Depois de uma experiência pioneira no ano passado, o Iminente organiza uma exposição que expande as áreas do festival com o resultado dos workshops comunitários que decorrem desde Junho em quatro bairros lisboetas onde a produção artística contemporânea tem sido uma realidade pouco presente. Catorze trabalhos realizados em colaboração com as populações da Quinta do Lavrado, Alta de Lisboa, Bairro do Rego e Quinta do Loureiro, com criadores que vêm da área da arquitectura (Colectivo Warehouse, Eda+Gatomorto, Furo Atelier e El Warcha), das artes visuais (Confeere, Gil Ferrão, Herberto Smith, Mantraste) ou do cinema (Luísa Homem+Inês Sapeta Dias, Miguel Faro e Pedro Pinho). O músico Tristany apresentará a 10 de Outubro uma performance em formato de marcha popular, um trabalho que desenvolveu com crianças e jovens da Quinta do Lavrado.

O festival tem ainda um programa de conversas com curadoria de António Brito Guterres, investigador em estudos urbanos e dinamizador comunitário: Laboratórios Vivos de Descarbonização; Territórios como Pertença: desigualdades e capital; O Papel da Arte e da Cultura na Agenda 2020; Amor: Cuidar de Quem Cuida. O programa completo por ser consultado a partir desta quarta-feira em www.festivaliminente.com.