Marcelo admite que processo autonómico dos Açores e da Madeira pode ser aprofundado

Chefe de Estado presidiu à sessão comemorativa dos 45 anos da autonomia regional, realizada na cidade da Horta, nos Açores.

Foto
Presidente da República participou na sessão solene Eeocativa dos 45 Anos da Autonomia dos Açores LUSA/Eduardo Costa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que a autonomia dos Açores e da Madeira, foram uma “conquista” dos povos insulares e não uma “benesse” e admitiu que o processo autonómico pode ainda evoluir nas regiões autónomas.

“A autonomia foi uma conquista dos açorianos, tal como dos madeirenses, não foi uma condescendente benesse de ninguém”, sublinhou o chefe de Estado, durante a sessão comemorativa dos 45 anos da autonomia regional, realizada este sábado na sede do parlamento, na cidade da Horta, nos Açores.

Num curto discurso, a encerrar a cerimónia, onde o tema “autonomia” foi o mais abordado, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que a unidade nacional “só é plena”, porque os Açores e a Madeira são regiões autónomas, considerando que as autonomias não devem ser vistas com receios pelo resto do país.

“Unidade e autonomia são feitas e refeitas dia após dia, obra inacabada, sempre atenta a novos tempos e a novos desafios”, frisou ainda o Presidente da República, referindo-se às ambições já manifestadas por vários partidos políticos na região, de se aprofundar o regime autonómico nos Açores.

Além do chefe de Estado, intervieram nas comemorações dos 45 anos da autonomia deputados de oito forças políticas (PS, PSD, CDS, BE, PPM, Chega, IL e PAN), e ainda os presidentes do Governo Regional, José Manuel Bolieiro, e da Assembleia Legislativa