Entidade reguladora britânica iliba emissora no caso dos comentários de Piers Morgan a Meghan Markle

A ITV e Piers Morgan não violaram o código britânico de radiodifusão nas críticas tecidas contra a duquesa de Sussex, proferidas durante o programa Good Morning Britain, no rescaldo da entrevista do mediático casal a Oprah Winfrey.

Foto
Piers disse não acreditar numa única palavra proferida por Harry e Meghan na polémica entrevista que o casal deu a Oprah Winfrey, em Março Reuters

​O jornalista britânico Piers Morgan, reconhecido globalmente pelo seu papel de jurado nos programas America’s Got TalentBritain’s Got Talent (e em Portugal, particularmente, por ter conseguido uma entrevista de fundo com o craque madeirense do futebol mundial, Cristiano Ronaldo)​, disse não acreditar numa única palavra proferida por Harry e Meghan na polémica entrevista que o casal deu a Oprah Winfrey, em Março. As críticas ao casal — mais calorosas contra a duquesa — foram feitas durante o programa de grande audiência Good Morning Britain, da ITV, o mesmo canal que comprou os direitos de retransmissão da conversa no Reino Unido.

Logo após se ter conhecimento do conteúdo da entrevista com Oprah, Piers fez de tudo para defender a rainha e a família real, acusando o casal de estar a montar um espectáculo. Até que, dois dias depois, o co-apresentador Alex Beresford atingiu um nervo, irritando Piers Morgan que abandonou o programa, realizado em directo. Pelo meio, a ITV recebeu mais de 50 mil queixas de telespectadores, a maioria sobre os comentários que Morgan teceu sobre saúde mental e suicídio. É que a duquesa de Sussex falou abertamente sobre pensamentos suicidas que a assolaram durante o período em que fez parte da família real, declarando que “simplesmente não queria estar viva”. E Piers Morgan reagiu: “Lamento, mas não acredito numa palavra do que ela diz.”

No entanto, o desaguisado entre o jornalista e a ex-actriz não foi uma surpresa, já que, nos últimos anos, Piers assumiu uma guerra pessoal contra Meghan. Segundo o próprio, os dois conheceram-se através de mensagens no Twitter e acabaram por se encontrar pessoalmente quando a actriz foi a Londres. Meghan era para Piers uma amiga que, por acaso, se ia encontrar pela primeira vez com o príncipe Harry no dia seguinte. E nunca mais terá ouvido uma palavra da jovem. Até ter conhecimento do noivado com o segundo filho do herdeiro da coroa. E, a partir de então, o jornalista, cujo currículo inclui passagens por títulos como News of the World (1994-1995) e Daily Mirror (1995-2004),​ fez questão de não ocultar nenhum pensamento mais desagradável que teria sobre a norte-americana.

As afirmações mais duras na sua última aparição no Good Morning Britain deram, porém, azo a uma queixa da duquesa, que apresentou uma queixa formal tanto à ITV como à Ofcom (organismo com funções similares da portuguesa Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Agora, a entidade reguladora vem dizer que Meghan não tem razão. “A nossa decisão é que, em geral, o programa continha recursos suficientes para proporcionar protecção e contexto adequados aos seus espectadores”, deliberou a Ofcom.

Foto
“Esta é uma estrondosa vitória para a liberdade de expressão e uma estrondosa derrota para a princesa Pinóquio” Reuters/TOBY MELVILLE

Ou seja, a Ofcom especificou que, embora estivesse preocupada com o aparente desrespeito de Morgan pela seriedade de qualquer pessoa que expressasse um pensamento suicida, os extensos recursos oferecidos pelos seus colegas ao longo do programa proporcionou contexto suficiente. Para mais, explicou a mesma entidade regulatória, o código de radiodifusão permite que os indivíduos expressem de forma efusiva pontos de vista pouco consensuais, incluindo os que são potencialmente prejudiciais ou altamente ofensivos. “A restrição de tais opiniões seria, na nossa opinião, uma restrição injustificada e arrepiante à liberdade de expressão tanto do organismo de radiodifusão como da audiência”, resumiu.

Morgan manifestou-se satisfeito com o resultado. “Estou encantado por a Ofcom ter endossado o meu direito de desacreditar as alegações incendiárias do duque e duquesa de Sussex a Oprah Winfrey, muitas das quais provaram ser falsas”, escreveu o jornalista no Twitter. “Esta é uma estrondosa vitória para a liberdade de expressão e uma estrondosa derrota para a princesa Pinóquio”, avaliou, deixando a questão: “Terei o meu emprego de volta?”

Até à hora, não houve qualquer reacção por parte dos duques de Sussex pelo facto de, segundo a Reuters, o porta-voz do casal, a residir nos EUA, estar noutro fuso horário.