Tu andas sempre descalço, Tom Sawyer, e lá em cima há planícies sem fim

Atenção, esta crónica é para maiores de 40. Fui à infância das minhas viagens e voltei para agradecer ao Tom Sawyer e a todo um universo de desenhos animados que me transformaram e tornaram um potencial viajante, pela minha terra e pelo mundo, ávido de descobertas e aventuras. Quem nunca? Obrigado, Tom e companhia, grato até pelas canções.

Foto
Nippon Animation

Andava eu muito bem a caminhar como de costume sobre os precipícios da minha infância, mergulhado em terra e pó e areia e sal, olhos nas cegonhas e nos monumentos rochosos que fazem parte do meu esqueleto, quando voltou a surgir-me nos lábios o meu assobio de sempre. É sempre assim, seja quando dou por mim perdido em metrópoles estonteantes ou a serpentear por ilhas-paraíso, a deambular por encontros e conversas com toda a gente e mais alguém, a cumprimentar burros e cães ou a maravilhar-me com a natureza ou assombros humanos, é sempre assim: um assobio surge-me nos lábios quando atinjo um qualquer zen das viagens, é o meu assobio, mas a canção não é minha, é de nós todos, especialmente, imagino, dos que andam a chegar à crise dos 50: é a canção do genérico desse deslumbramento em forma de desenhos animados que encantou a minha infância e a de tantos: Vês passar o barco / rumando pró Sul / brincando na proa / gostavas de estar. / Voa lá no alto / por cima de ti / um grande falcão, / és o rei, és feliz; / E quando tu / vês o Mississípi, tu / saltas pela ponte / e voas com a mente. Sim, é o nosso Tom Sawyer e a sua canção portuguesa, cereja no bolo desta série animada de produção de excelência japonesa erigida a partir das histórias que Marc Twain, esse viajante global, nos deixou.

Mas, sem desprimor, obviamente, para o “pai” do Thomas, aqui importa-me, acima de tudo, esse irrequieto e corajoso Tom da TV do nosso crescimento que, aposto, não foi só a mim que alimentou a imaginação, a criatividade, as aventuras de rapazito com bichos-carpinteiros. E as viagens: tanto uma das minhas primeiras grandes aventuras – uma fuga (controlada) para o monte da minha tia com mochila recheada –, como uma mais recente, tendo ajudado até ao conceito e às minhas deambulações pela serra de Monchique e costa alentejana.

Tu andas sempre descalço, Tom Sawyer/ junto ao rio a passear, Tom Sawyer. / Mil amigos deixarás, aqui e além, / descobrir o mundo, viver aventuras…

Deixa-me assobiar enquanto vou a esses tempos, em que quase só viajávamos no sofá, para passar a mão pelo pêlo da nossa nostalgia colectiva. Afinal, não andamos todos nostálgicos? A transportar para o presente e futuro essas alegrias que nos ficaram na matriz? A principal razão será óbvia: este ano e meio maluco das nossas vidas deixou-nos todos em terra e com as aventuras condicionadas; é, portanto, mais que natural que, por saudades e instinto de sobrevivência, voltemos a esses anos em que qualquer saída era em si uma aventura, quaisquer férias, especialmente as Férias Grandes, esse universo de onde não queríamos sair, um umbigo do mundo, um ventre materno onde, resguardados, esperamos pela primeira viagem do resto das nossas vidas.

É certo que Tom, que por cá foi visto nos primeiros anos da década de 1980 na RTP, vivia em diabruras com o seu amigo Huck por terras do Mississípi, mas para mim o grande rio era o meu Atlântico e aquelas florestas eram os meus bosques. Lá está, podemos, até por estas páginas, passar o tempo a citar Sophia ou Torga, Theroux ou Antonio Machado (Caminante no hay camino...), mas já era tempo de reconhecermos estes outros personagens que a infância deu às nossas vidas, e não só o Tom Sawyer. Quem nunca olhou para o céu e deu por si a lançar uma das mais bonitas das canções, que ainda por cima nos faz o espírito aventureiro entrar em órbita: Lá em cima, há planícies sem fim, há estrelas que parecem correr... Sim, Era uma Vez o Espaço.

Com tanto Japão a moldar-nos a infância animada, é mais que natural que, quando aterrei pela primeira vez no país, os meus olhos tenham ficado com tamanho-anime – vide: A viagem do sr. Olhos Grandes ao Japão, sendo que o meu apodo japonês foi-me dado precisamente por ter uns olhões de desenhos animados; Meme-san, fiquei eu rebaptizado graças à senhora Hisashi, que na altura com 82 anos dominava uma espécie de tasca de chapas quentes, paraíso do okonomiyaki (umas maravilhosas panquecas). Foi em Hiroxima, por sinal. 

São as voltas das memórias, jogo em que o Tom e demais companhia televisiva - alguns dos desenhos animados mais amados dos anos de 1970/80 - eram especialistas. E assim nos puseram ávidos de partir à descoberta, para além da porta de casa. Chamemos à companhia não só a Maia ou o Conan, mas também a Heidi, o Marco, As Misteriosas Cidades de Ouro, Bel e Sebastião, naturalmente Marco Polo ou, evidentemente, o leonino Willy Fog d'A Volta ao Mundo em 80 Dias. De certeza que, sendo esta uma crónica nostálgica para maiores de 40, o caro leitor terá mais a acrescentar nesta lista de referências culturais. Olarepipu, avozinho, diz-me tu...E, claro, também poderíamos chamar à conversa o Tintim e o Corto, ou até os mais vivos amigos d'Os Cinco, o Sandokan ou, obviamente, o assobio do nosso eterno Verão Azul.

Agora que estou numa espécie de férias, rodeado por três adolescentes – o Gonçalo e o João, de 13 anitos; a Margarida, de 16 –, dou por mim a assobiar o Tu andas sempre descalço, Tom Sawyer enquanto vislumbro as aventuras que estes três vão congeminando. Reconheço que só sei superficialmente as referências que lhes estão a fazer os sonhos e a moldar as façanhas. Do tablet do João sai um anime dobrado em espanhol que não promete nada de bom, mas pode ser preconceito (é algo sobre o Bem e o Mal e máscaras..., fico-me por uma ignorância snob, por agora). Eles terão, decerto, também direito aos seus heróis.

Já eu, Tom Sawyer e Huckleberry Finn continuamos, quatro décadas depois, em tropelias pelo mundo, sonhando com mais e mais aventuras, assim nos permita a pandemia, e, claro, viveremos assim para sempre. Pelo menos na memória de algum futuro viajante.

Tu andas sempre descalço... Tom Sawyer / junto ao rio a passear...Tom Sawyer. / A aventura te dará o que quiseres: / muitas emoções, / eternos amores.

Obrigado, Tom.

p.s. - fica aqui também o devido obrigado e reconhecimento à equipa portuguesa que nos deu o Tom em português (e tantas outras versões bem apuradas de heróis vários) a partir da obra-prima da Nippon Animation: a dobragem foi dirigida por João Lourenço, a canção é interpretada por Francisco Ceia e a voz do pequeno diabrete era de... Ermelinda Duarte, a mesma que nos deu essa seminal toada chamada Somos livres (Uma gaivota voava, voava, asas de vento, coração de mar...) Já no caso de Era Uma Vez no Espaço, sublinhe-se que o genérico não é cantado por Paulo de Carvalho, ao contrário do que muita gente pensa, mas por Pedro Malagueta