Task force acusa Unilabs de não comunicar a tempo problema com vacinas

O Infarmed e a task force estão a aguardar os esclarecimentos pedidos aos fabricantes dos lotes das vacinas administradas no início da semana passada no Queimódromo para apurar se a eficácia das vacinas não foi afectada.

Foto
Nelson Garrido

A vacinação no Queimódromo do Porto vai continuar suspensa e ainda não se sabe se as 980 pessoas que, no início da semana passada, receberam as doses identificadas como não tendo estado à temperatura regular devido a uma falha na cadeia de frio vão ou não ter que ser vacinadas de novo. Este que é o único centro de vacinação operado por um privado (a rede de laboratórios Unilabs) e a funcionar em sistema de drive thru em Portugal não deverá reabrir tão cedo, uma vez que são várias as entidades que estão a averiguar o que se passou e que o processo se adivinha demorado.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários