Bob Dylan processado por alegado abuso sexual de rapariga de 12 anos nos anos 1960

Mulher acusa o cantautor de a ter sedado com álcool e drogas durante semanas em 1965. “Esta alegação com 56 anos é falsa e será vigorosamente defendida”, diz porta-voz de Dylan.

Foto
Bob Dylan em concerto Robert Galbraith/Reuters

Uma mulher apenas identificada pelas iniciais J.C. processou judicialmente o cantautor folk Bob Dylan alegando que ele abusou sexualmente dela depois de lhe ter dado drogas e álcool em 1965, quando ela tinha 12 anos.

Um porta-voz de Dylan, que hoje tem 80 anos, diz que as alegações são falsas. “Esta alegação com 56 anos é falsa e será vigorosamente defendida”, diz o porta-voz.

Bob Dylan em 1963 AP Photo
Bob Dylan nasceu no Minnesota em 1941 como Robert Allen Zimmerman AFP PHOTO/HO/XM Satellite Radi
Concerto em 1998 no Royal Albert Hall Barry Feinstein/Courtesy Columbia Records Legacy REUTERS
Em 1990, Bob Dylan foi condecorado pela Ordem de Artes e Letras francesa AP Photo/ Lionel Cironeau/File
Em Maio de 2012, o presidente americano Barack Obama condecorou o músico com a Medalha da Liberdade AFP PHOTO / MANDEL NGAN
Bob Dylan em 1984 durante um concerto em Sceaux, França AFP PHOTO / Bruno DECREUSE
Papa João Paulo II com Bob Dylan em 1997, em Bolonha, Itália Photo by Vatican REUTERS
Dylan interpreta o tema "Maggie's Farm" na 53ª edição dos Grammy em Los Angeles, 2011 REUTERS/Lucy Nicholson/File Photo
Concerto de Bob Dylan em 2012 REUTERS/Ki Price/File Photo
Livros de Bob Dylan expostos na Academia Sueca, em Estocolmo. "Ele pode ser lido e deve ser lido", resumiu a secretária da Academia AFP PHOTO / JONATHAN NACKSTRAND
AFP PHOTO/FILES/Torsten BLACKWOOD
REUTERS/Lucy Nicholson
Kevin Winter/Getty Images for AFI/AFP
Fotogaleria

Num processo cível que deu entrada ao final do dia de sexta-feira no Supremo Tribunal de Nova Iorque, a mulher identificada apenas como J.C. disse que Dylan abusou sexualmente dela no seu apartamento de Nova Iorque ao longo de seis semanas “deixando-a até hoje emocionalmente marcada e danificada psicologicamente”.

Dylan, que na altura estava na casa dos 20 anos, “aproveitou-se do seu estatuto como músico para dar álcool e drogas a J.C. e abusar sexualmente dela várias vezes”, diz o processo. A queixosa pede uma indemnização que não é especificada. O processo foi apresentado no limite de um prazo legal em vigor em Nova Iorque, que foi estabelecido por uma nova lei em 2019, e que permite apresentar processos de abuso sexual de crianças por mais tempo - anteriormente, os prazos ditariam que tais alegações prescreviam.

Bob Dylan, saído da cena folk de Greenwich Village (Nova Iorque) no início dos anos 1960, tornou-se um dos artistas mais influentes e aclamados já da era rock com temas como Blowin’ in the Wind e Like a Rolling Stone. Já vendeu mais de 125 milhões de álbuns em todo o mundo e recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 2016.