Investimento captado através dos “vistos “gold”” caiu 60% em Junho

Compra de imóveis para reabilitar representou 11 dos 41 pedidos de Autorização de Residência para Investimento.

Foto
NELSON GARRIDO

O investimento captado através do programa de Autorização de Residência para Investimento (ARI), mais conhecido por “vistos “gold””, caiu 60% em Julho, face a igual mês de 2020, para 22,1 milhões de euros. Face ao mês anterior, de Junho, também há um recuo, neste caso de 39% (36,4 milhões de euros).

Segundo os dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), no mês passado foram concedidos 41 ARI, dos quais 35 por via da aquisição de compra de bens imóveis (11 para reabilitação urbana) e seis por transferência de capitais.

A compra de bens imóveis somou em Julho um investimento de cerca de 20 milhões de euros, dos quais 3,9 milhões de euros para reabilitação urbana, enquanto a transferência de capitais somaram 2,1 milhões de euros.

Por países, foram concedidos 10 vistos “dourados” à China, cinco aos Estados Unidos, cinco à Rússia, quatro ao Brasil e três à Turquia.

Nos primeiros sete meses do ano foram atribuídos 486 “vistos “gold””, dos quais 55 em Janeiro, 100 em Fevereiro, 73 em Março, 98 em Abril, 52 em Maio, 67 em Junho e 41 em Julho.

Entre Janeiro e Julho, o investimento captado por via deste instrumento ascendeu a 259,8 milhões de euros, um recuo de mais de 40% face aos 439 milhões de euros registados nos primeiros sete meses do ano passado.

O programa de concessão de ARI, lançado em Outubro de 2012, registou até Julho último – em termos acumulados – um investimento de cerca 5900 milhões euros. Deste montante, a maior parte corresponde à compra de bens imóveis, que ao fim de mais de oito anos de programa soma 5337 milhões de euros. A compra para reabilitação urbana, uma possibilidade criada recentemente, totaliza 319 milhões de euros.

O investimento resultante da transferência de capitais é de 561 milhões de euros.

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento estrangeiro, foram atribuídos 9875 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1526 em 2014, 766 em 2015, 1414 em 2016, 1351 em 2017, 1409 em 2018, 1245 em 2019, 1182 em 2020 e 486 em 2021.

Até Julho foram atribuídos 9265 vistos por via de compra de imóveis, dos quais 885 tendo em vista a reabilitação urbana.

Por requisito da transferência de capital, os vistos concedidos totalizam 590 e 20 por criação de postos de trabalho.

Por nacionalidades, a China lidera a atribuição de vistos (4953), seguida do Brasil (1028), Turquia (470), África do Sul (409) e Rússia (388).

Desde o início do programa foram atribuídas 16.762 autorizações de residência a familiares reagrupados, das quais 712 este ano.