O Vinho do Porto e a “bestialidade inglesa” segundo Camilo Castelo Branco (II)

Pedro Garcias continua a levar-nos por escritos de Camilo que são “um pequeno tratado sobre a condição humana”. “Dois séculos e meio depois, mantém-se o mesmo problema de sempre: a baixa remuneração da lavoura duriense por parte do comércio”.

Foto
Adriano Miranda

Não causaria nenhuma perplexidade se Camilo Castelo Branco tivesse escrito o seu opúsculo Vinho do Porto-Processo de uma bestialidade inglesa, violentíssimo para James Forrester e elogioso para a cozinheira Gertrudes, por razões meramente passionais. Por paixão, e não só, Camilo era capaz de tudo.