Dar neve a Lisboa: o “ouro branco” da serra da Estrela voltou, mais de um século depois

Hoje, quando queremos alimentos frescos, congelados ou cubos de gelo, basta recorrer ao nosso frigorífico/congelador. Mas, até finais do século XIX, isso era difícil e caro. Fomos reconstituir o processo de obtenção e transporte do gelo.

serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
Gelar o Terreiro do Paço VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
VÍTOR MOTA
Barco
Fotogaleria
VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
A chegada VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
VÍTOR MOTA
serra-estrela,guarda,tejo,viagens,fugas,lisboa,
Fotogaleria
VÍTOR MOTA

Produzir e trazer “neve” (isto é, blocos de gelo) da serra da Estrela (e mais tarde das serras da Lousã e de Montejunto) até Lisboa foi uma actividade iniciada em 1614 e que se prolongou até aos finais do século XIX, extinguindo-se com o aparecimento das fábricas de gelo industrial. Foi essa árdua e dispendiosa tarefa de produção e de transporte da neve até à capital, que, por iniciativa de Carvalho Rodrigues, o Clube Escape Livre, em parceria com a Marinha do Tejo, recriou na semana passada

Sugerir correcção
Ler 5 comentários