Vacinação dos adolescentes entre os 12 e os 15 anos começa a 21 de Agosto. Auto-agendamento arranca nesta quinta-feira

Jovens começam a ser vacinados a 21 de Agosto e processo estará terminado a 19 de Setembro. Auto-agendamento para maiores de 18 anos ficará temporariamente suspenso entre quinta-feira e sábado. Modalidade “Casa Aberta” continuará a estar disponível para todos os adultos.

Foto
Vacinação em Madrid. Espanha começou esta quarta-feira a vacinar os maiores de 12 anos EPA/CHEMA MOYA

Depois de a Direcção-Geral da Saúde (DGS) recomendar, nesta terça-feira, a vacinação universal dos jovens dos 12 aos 15 anos contra a covid-19, já há datas para a abertura do auto-agendamento e para o início (e fim) do processo de vacinação deste grupo etário.

Entre esta quinta-feira e este sábado (de 12 a 14 de Agosto), os adolescentes dos 12 aos 15 anos poderão auto-agendar a vacinação contra a covid-19 no portal de auto-agendamento, segundo informou a task-force que coordena o processo em Portugal num comunicado emitido nesta quarta-feira.

Segundo o calendário estabelecido, este grupo etário vai ser todo vacinado nos fins-de-semana de 21 e 22 de Agosto e de 28 e 29 de Agosto. O vice-almirante Gouveia e Melo explicou que foram designados dois fins-de-semana para que exista uma “maior flexibilidade por causa das férias”. Os jovens dos 12 aos 15 anos que forem vacinados com a primeira dose a 21 e 22 de Agosto serão inoculados com a segunda dose no fim-de-semana de 11 e 12 de Setembro. Já os adolescentes que forem vacinados com a primeira dose a 28 e 29 de Agosto serão inoculados com a segunda dose no fim-de-semana de 18 e 19 de Setembro. As segundas doses são agendadas pelo sistema e serão administradas sempre no local onde foi recebida a primeira dose, é relembrado na nota.

A task-force esclarece ainda que, nestes três dias, o auto-agendamento para as pessoas com idade igual ou superior a 18 anos ficará temporariamente suspenso, sendo retomado a 15 de Agosto. No entanto, a modalidade “Casa Aberta”, que entrou nesta terça-feira em funcionamento para as pessoas acima de 18 anos, continuará a estar disponível para todos os adultos.

Na manhã desta quarta-feira, o coordenador da task-force para a vacinação contra a covid-19 em Portugal já tinha avançado que a vacinação universal dos adolescentes entre os 12 e os 15 anos estava a ser planeada para os últimos fins-de-semana de Agosto, para que “o processo fosse mais organizado”. Questionado sobre a abertura da modalidade “Casa Aberta” para esta faixa etária, o coordenador pôs de lado essa hipótese, pelo menos para as próximas semanas. “Tudo indica que vai correr bem. Claro que se não correr tão bem como prevemos em termos de auto-agendamentos encontraremos outras soluções para trazer os jovens à vacinação, que isso é que é o importante”, disse o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo numa visita a um centro de vacinação.

O coordenador deixou ainda uma mensagem aos pais dos 400 mil jovens dos 12 aos 15 anos que já poderão ser vacinados nos últimos fins-de-semana de Agosto. “A vacina é segura, é eficaz e numa pandemia não se vacinado com a vacina é ser vacinado com vírus. É uma questão de tempo. Se não quiserem ser vacinados correm o risco de serem infectados e de não estarem a proteger os jovens que ainda não estão em idade de vacinação”.

Setembro é sinónimo de liberdade

Gouveia e Melo avançou ainda que já estava planeado que a vacinação desta faixa etária terminasse a 19 de Setembro, para coincidir com o início do ano lectivo. “Continuamos com essa meta e tudo indica que vamos atingi-la”, disse. “Tenho uma forte convicção de que, agora com a decisão da DGS [de aprovar a vacinação universal dos 12 aos 15 anos], vamos conseguir vacinar mais pessoas e vamos, eventualmente, atingir a imunidade de grupo porque temos mais pessoas para vacinar. Vacinando acima de 85% a 90% da nossa população, muito provavelmente iremos atingir essa imunidade. Estamos a tentar fazer isso o mais rapidamente possível, para que possamos ter a nossa vida e a nossa economia recuperada, mas para que também não morram pessoas com este vírus.”

A meta é que Portugal chegue, no fim de Agosto, a 90% da população elegível vacinada com a primeira dose e, no fim de Setembro, com a segunda dose.

O vice-almirante referiu ainda que “o último esforço, a última pancada que podemos dar ao vírus”, depende muito de todos os jovens e da sua comparência no processo de vacinação. “Estamos a fazer todo o tipo de agendamentos: auto-agendamento normal e em ‘​Casa Aberta com senhas. Estamos a facilitar para que os jovens compareçam. Ainda temos de vacinar cerca de 1,5 milhões de pessoas com primeiras doses, principalmente jovens, e depois de dar as segundas doses. Ainda temos pela frente um processo não muito longo, mas árduo.”

O coordenador disse acreditar que, se o processo continuar a decorrer neste ritmo, no fim de Setembro, os portugueses poderão recuperar a quase totalidade da sua liberdade. “Vamos ter um país diferente e não refém de um vírus”, disse, incentivando os portugueses que ainda não o fizeram a iniciar o processo de vacinação.

Recorde-se que, segundo o plano apresentado no fim de Julho pelo Governo, a segunda “fase de libertação” da sociedade e da economia só arrancará quando 70% da população tiver a vacinação completa, algo que está previsto para o início de Setembro. A terceira (e última) fase deste novo desconfinamento deve começar quando 85% da população tiver a vacinação completa, algo que Governo e task-force acreditam que acontecerá no início de Outubro.

Até esta terça-feira, 62% da população portuguesa já se encontra completamente imunizada com as duas doses da vacina (ou uma, no caso da vacina da Janssen) e 71% já tinha pelo menos uma dose.

Horas mais tarde, de visita a um centro de vacinação em Viseu, Gouveia e Melo foi questionado sobre as pessoas que já tinham vacinação marcada para os fins-de-semana em que os jovens receberão as suas vacinas e explicou que alguns agendamentos foram remarcados para outros dias. “Há disponibilidade nos centros de vacinação para vacinar uma grande quantidade de população. Precisamos que essa população saia do comodismo das férias, que também são importantes, mas mais importante é não dar férias ao vírus”, disse, acrescentando que Portugal continua a vacinar cerca de 80 mil pessoas por dia, mas o objectivo é chegar as 120 mil para “encurralar o vírus”.

Notícia actualizada às 17h07 com novas declarações de Gouveia e Melo de visita a um centro de vacinação em Viseu