Director de recursos humanos sai da TAP na sequência do vídeo em Madrid

“Um episódio, que foi amplamente difundido pelos meios de comunicação social e fortemente aproveitado pelas redes sociais, veio, de repente, pôr em causa os mais de 25 anos que tenho ao serviço da gestão de pessoas” afirma Pedro Ramos, que diz ter chegado a acordo para sair da companhia.

Foto
Gestor estava na TAP desde 2017 Nelson Garrido

O director de recursos humanos do grupo TAP, Pedro Ramos, chegou a acordo com a companhia aérea para deixar a empresa. A saída foi anunciada pelo próprio gestor na rede social Linkedin, e após ter sido alvo de uma abertura de inquérito pela empresa na sequência da publicação de um vídeo feito em Madrid, em Junho, no qual dava nota de um processo de recrutamento em Espanha e que causou polémica na TAP, a braços com centenas de saídas, e no Governo (o ministro Pedro Nuno Santos mostrou-se, na altura, “indignado” com o conteúdo). Ao seu lado no vídeo, feito à noite na Plaza Mayor da capital espanhola, estava um outro gestor com ligações à TAP, João Falcato.  

“Um episódio, que foi amplamente difundido pelos meios de comunicação social e fortemente aproveitado pelas redes sociais, veio, de repente, pôr em causa os mais de 25 anos que tenho ao serviço da gestão de pessoas e, em especial, os terríveis, desgastantes e longos meses na gestão de uma situação em contexto de emergência nunca antes vivido”, escreveu o gestor no texto publicado na terça-feira na rede social de contactos profissionais, conforme noticiou o Eco.

Afirmando que o processo de inquérito foi “entretanto arquivado”, Pedro Ramos, que esteve até aqui à frente do processo de forte redução do número de trabalhadores do grupo que se iniciou após a pandemia (decorre ainda um despedimento colectivo), defende que o vídeo era “privado, gravado num contexto informal e, apenas, destinado a um grupo muito restrito de pessoas”.

“De repente, o conteúdo inócuo, inofensivo, sem qualquer intenção de denegrir, ‘gozar’, ou até revelar algum tipo de informação que não fosse já conhecida (evidentemente, no seu contexto próprio), foi utilizado de forma descontextualizada pondo-me em evidência”, diz Pedro Ramos.

Para o gestor, “a utilização inadequada, descontextualizada, desvirtuada e completamente desproporcional do conteúdo – e que, infelizmente, a minha empresa permitiu – veio transformar um ‘não tema’ num assunto de impacto colossal sobre o qual, alguém me disse durante este processo, ficou em evidência que ‘a minha situação foi gerida pela TAP e pelos diversos interlocutores como se vivêssemos todos numa rede social e não em empresas profissionais'”.

TAP abriu inquérito devido ao “impacto negativo” do vídeo

A abertura de inquérito foi anunciada pela empresa logo no início da polémica gerada à volta do vídeo, que estava em circulação nas redes sociais, a 15 de Junho.

No caso de João Falcato, e de acordo com as informações prestadas ao PÚBLICO por fonte oficial da TAP em Junho, este desempenhava funções na direcção de recursos humanos e tinha aderido à pré-reforma, no âmbito das medidas voluntárias. Na altura, disse a empresa, estava “apenas a concluir processos em curso”.

Sobre a deslocação dos gestores a Madrid, a empresa informou que o responsável comercial do negócio de carga em Madrid estava de saída da empresa “por iniciativa própria” e que era preciso “recrutar um novo responsável para a TAP Air Cargo no mercado espanhol, uma função que exige um know-how muito específico do negócio de carga – que tem registado crescimentos significativos na TAP – e um profundo conhecimento do mercado espanhol”.

Sobre o porquê da instauração de um processo de inquérito, que estava então em curso, a TAP afirmou que “o impacto negativo no conjunto dos trabalhadores da TAP e na opinião pública justificam, por si só, a abertura de um inquérito que permita avaliar todos os contornos da situação e eventual procedimento disciplinar”.